segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Acordei assim...

Pois é... hoje de manhã acordei assim! Ainda chove, vociferei com voz de poucos amigos... Mas quando é que eu saio daqui?!
A minha cabeça ainda não tinha os fusíveis todos ligados, a boca sabia-me a "papéis de musica"... enfim, não estava bem!
Á tarde lá tive oportunidade de saír. Fui ao Centro Comercial das Amoreiras e fiquei de boca aberta, tal como uma provinciana que nunca tinha entrado ali....
Na verdade há lá coisas muito bonitas!... Veremos como acordo amanhã...

domingo, 16 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL


RecadosOnline
Com um abracinho meu....

domingo, 2 de dezembro de 2012

Aos meus amigos





Meus amigos, onde estão? Tenho saudades de vocês! Voltei  e espero-vos...

sábado, 24 de novembro de 2012

BOM FIM DE SEMANA....

..... com um abraço!

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

O poema do Menino Jesus





Quem me dera saber dizer este poema duma forma tão sentida!



terça-feira, 23 de outubro de 2012

D.Sebastião

Revelação: Documentos inéditos em livro de história




D. Sebastião foi preso em Itália

O rei D. Sebastião sobreviveu à batalha de Alcácer-Quibir e reapareceu no ano de 1598 em Itália, onde foi mais tarde preso em Veneza, Florença e Nápoles, com a cumplicidade dos espanhóis. Quem o escreve é a historiadora Maria Luísa Martins da Cunha no terceiro volume do livro ‘Grandes Enigmas da História de Portugal’, que é lançado hoje e a que o CM teve acesso.

Segundo acrescenta a investigadora, "a maioria dos historiadores tem aceite sem discussão a versão oficial da História de D. Sebastião" que foi criada "durante o período da dominação filipina com claros intuitos políticos". Houve "uma destruição continuada e premeditada da imagem do rei ".

Entre as provas que sustentam que D. Sebastião não morreu em Alcácer-Quibir, Maria Luísa Martins da Cunha cita "várias testemunhas que atestaram que o viram sair vivo da batalha, entre os quais Sebastião Figueira, que declarou ter saído dela com o rei" e que "o reconheceu em Veneza na pessoa do Cavaleiro da Cruz, ou, como ficou para a História, como ‘D. Sebastião de Veneza'." Mais: "Para além de outros indícios muito fortes, um indício importante de que D. Sebastião sobreviveu" foi "o achamento, no século XIX, de uma medalha de ouro com a inscrição ‘Sebastianus Primus Portugaliae Rex' num túmulo da capela de S. Sebastião do Convento dos Agostinhos de Limoges, onde segundo a tradição estava sepultado um rei português do mesmo nome." A obra, da Ésquilo, é lançada hoje, às 19h00, na Fnac do Colombo, em Lisboa.

domingo, 30 de setembro de 2012

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

IRENA SENDLER




NEM sempre o prêmio é atribuído a quem mais o merece...

Uma senhora de 98 anos chamada Irena Sendler faleceu há pouco tempo.

Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações. Mas os seus planos iam mais além... Sabia quais eram os planos dos nazistas relativamente aos judeus (sendo alemã!).



Irena trazia crianças escondidas no fundo da sua caixa de ferramentas e levava um saco de serapilheira na parte de trás da sua caminhoneta (para crianças de maior tamanho). Também levava na parte de trás da caminhoneta um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando entrava e saia do Gueto. Claro que os soldados não queriam nada com o cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem fazer.

Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar cerca de 2500 crianças.



Por fim os nazistas apanharam-na. Souberam dessas atividades e em 20 de Outubro de 1943. Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para a infame prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada. Num colchão de palha encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a inscrição: “Jesus, em Vós confio”, e conservou-a consigo até 1979, quando a ofereceu ao Papa João Paulo II.



Ela, a única que sabia os nomes e moradas das famílias que albergavam crianças judias, suportou a tortura e negou-se a trair seus colaboradores ou as crianças ocultas. Quebraram-lhe os ossos dos pés e das pernas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Já recuperada, foi, no entanto condenada à morte. Enquanto esperava pela execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco: "Corra!". Esperando ser baleada pelas costas, Irena, contudo correu por uma porta lateral e fugiu, escondendo-se nos becos cobertos de neve até ter certeza que não fora seguida. No dia seguinte, já abrigada entre amigos, Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados que os alemães publicavam nos jornais. Os membros da organização Żegota ("Resgate") tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa.

Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado debaixo de uma árvore no seu jardim.

Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem sobrevivido e reunir a família. A maioria tinha sido levada para as câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a encontrar casas de acolhimento ou pais adotivos.

Em 2006 foi proposta para receber o Prêmio Nobel da Paz... mas não foi selecionada. Quem o recebeu foi Al Gore por sua campanha sobre o Aquecimento Global. (sem comentários.

Não permitamos que alguma vez esta Senhora seja esquecida!!

Estou transportando o meu grão de areia, reenviando esta mensagem. Espero que faça o mesmo.

Passaram já mais de 60 anos, desde que terminou a 2ª Guerra Mundial na Europa. Este e-mail está sendo reenviado como uma cadeia comemorativa, em memória dos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões de cristãos (inclusive 1.900 sacerdotes católicos ) 500 mil ciganos, centenas de milhares de socialistas, comunistas e democratas e milhares de deficientes físicos e mentais que foram assassinados, massacrados, violados, mortos à fome e humilhados, com os povos do mundo muitas vezes olhando para o outro lado.

Agora, mais do que nunca, com o recrudescimento do racismo, da discriminação e os massacres de milhões de civis em conflitos e guerras sem fim em todos os continentes, é imperativo assegurar que o Mundo nunca esqueça. Gente como Irena Sendler, que salvou milhares de vidas praticamente sozinha, é extremamente necessária.

A intenção deste e-mail é chegar a 40 milhões de pessoas em todo o mundo.
Una-se a nós. Seja mais um elo desta cadeia comemorativa e ajude a distribuí-la por todo o mundo. Por favor, envie este e-mail às pessoas que conhece e peça-lhes que não interrompam esta cadeia..

"A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade."- Irena Sendler     (E-mail)

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Antes que o Inverno chegue volto a ser cigarra, canto. Da laboriosa agonia me liberto e exalto. (Fernando Namora) em Canto tardio.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

ANIVERSÁRIO



Tantos anos já passaram....

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

sábado, 21 de julho de 2012

José Hermano Saraiva





Funeral de José Hermano Saraiva realiza-se hoje
Por Redação A- A A+




O funeral do historiador José Hermano Saraiva, que morreu ontem, vai realizar-se este sábado no cemitério de Palmela depois de uma missa de corpo presente, às 14 horas, na Igreja do Convento de Jesus em Setúbal.
José Hermano Saraiva, recordado pelo secretário de Estado da Cultura como «um grande comunicador e divulgador da História e da cultura de Portugal», morreu ontem na sua residência em Palmela, aos 92 anos de idade.
O professor, nascido em Leiria a 3 de outubro de 1919, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas e em Ciências Jurídicas na Universidade de Lisboa, em 1941 e 1942, respetivamente.
José Hermano Saraiva era uma das figuras mais conhecidas e influentes na área da História de Portugal, e seus os conhecimentos nesta área levaram-no a dirigir programas de cultura na televisão, nomeadamente na RTP, destacando-se a sua atitude peculiar e carismática.
Começou com «Horizontes da Memória», mas outros programas se segiram, tais como «Gente de Paz», «O Tempo e a Alma», «Histórias que o Tempo Apagou» e «A Alma e a Gente».
Para além da televisão, o professor - que também concluiu advocacia -, distinguiu-se nos livros. Destaca-se «História concisa de Portugal», na 25.ª edição, com um total de cerca de 180 mil exemplares vendidos; mais tarde, em 1981, seguiu-se uma outra compilação, de seis volumes, sobre a História de Portugal publicada pelas Edições Alfa.
Outras obras se contam, entre elas «Uma carta do Infante D. Henrique», «O tempo e alma», «Portugal - Os últimos 100 anos», «Vida ignorada de Camões» e «Ditos portugueses dignos de memória».
Na esfera política, José Hermano Saraiva destacou-se, durante o período do Estado Novo, como ministro da Educação, entre os anos de 1968 e 1970, tendo enfrentado a revolta estudantil em Coimbra (1969). Em 1972, foi embaixador de Portugal em Brasília.
José Hermano Saraiva foi distinguido com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, a Grã-Cruz da Ordem do Mérito do Trabalho, a Comenda da Ordem de N. S. da Conceição de Vila Viçosa e a Grã-Cruz da Ordem de Rio Branco (Brasil).


sábado, 14 de julho de 2012

PROCURA-SE UM AMIGO





.PROCURA-SE UM AMIGO

Vinícius de Morais




Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.
Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.
Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos. Que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.
Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Não digas nada!






Não Digas Nada! Não digas nada!

Nem mesmo a verdade

Há tanta suavidade em nada se dizer

E tudo se entender —

Tudo metade

De sentir e de ver...

Não digas nada

Deixa esquecer



Talvez que amanhã

Em outra paisagem

Digas que foi vã

Toda essa viagem

Até onde quis

Ser quem me agrada...

Mas ali fui feliz

Não digas nada.



Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

terça-feira, 22 de maio de 2012

Aquece-me ao menos as mãos


 

Aquece-me ao menos as mãos!


Sol nulo dos dias vãos

Cheios de lida e de calma,

Aquece ao menos as mãos

A quem não entras na alma!



Que ao menos a mão, roçando

A mão que por ela passe,

Com externo calor brando

O frio da alma disfarce!



Senhor, já que a dor é nossa

E a fraqueza que ela tem,

Dá-nos ao menos a força

De a não mostrar a ninguém!



Fernando Pessoa

terça-feira, 8 de maio de 2012

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Dia Mundial do Sorriso

Um sorriso pode dizer mais do que uma palavra!

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Aquela menina feia







Aquela menina feia que mora na minha rua… bem… menina ela não é … mas é feia e uma mulher sem idade… Tem cabelos crespos e já esbranquiçados, olhos esbugalhados com uma expressão esquisita, quase patética e é de pequena estatura não havendo nela nada que possa atrair olhares apreciadores…


São esses olhos que ela fita em mim quando me encontra , com uma expressão que também não sei definir… Talvez como se estivesse estarrecida a olhar para uma coisa diferente.


Vive só e, provavelmente sem amor. Há anos ainda cheguei a vê-la com um namorado. Deve ter sido a única e última vez que a vi sorrir… Há dias, no transporte, reparei que gesticulava e sussurrava baixinho como se falasse com alguém invisível. Não entendi nada… O que entendi é que é um ser humano solitário e talvez já um pouco atormentado pela solidão e pelo desamor.
Penso muitas vezes nela e a minha alma sente compaixão…
Aquela menina feia que vive na minha rua, tem uma voz suave e bem timbrada. Ouvia quando lhe perguntei que autocarro tinha acabado de passar.
Aquela menina feia é mais nova do que eu, embora não pareça…. Aquela menina feia envelhece dentro de quatro paredes, sozinha com a solidão e, quem sabe, com muitos sonhos desfeitos…

30.03.2012

Leonor

sexta-feira, 30 de março de 2012

***************

Há tempos chamava-se a uma mulher assim a "Fada-do-Lar"........

quarta-feira, 28 de março de 2012

DESINTOXICA-TE!

O QUE TE INTOXICA?
Todos nós atravessamos períodos de maior ou menor stress físico, emocional ou mental, em que automaticamente recorremos a práticas e a hábitos enraizados, que têm como objectivo preencher uma necessidade interior de paz, equilíbrio e amor, ainda que disso não nos apercebamos, e que são nocivos ao nosso organismo. Estes automatismos servem uma satisfação imediata, mas pouco persistente no tempo, e que em breve regressa em forma de uma nova necessidade com mais força. É um ciclo vicioso de intoxicação, que simplesmente te anestesia e te impede de sentir: o medo, a dor, o vazio.

PORQUE TE DESINTOXICARES?
Porque todas as formas de intoxicação representam técnicas de atraso ao nosso desenvolvimento, equilíbrio e cumprimento do plano pessoal e divino. Ao intoxicares os vários níveis do teu ser, estás a colocar nele camadas de densidade que precisarás de remover, mais cedo ou mais tarde, para poderes prosseguir o teu caminho com alegria, saúde e abundância.
Todas as doenças e “acidentes” ganham primeiro forma ao nível astral, antes de atingirem o nosso corpo físico. Se pretendes curar-te a todos os níveis e limpar a tua energia, não achas que é um contra-senso estares a poluir o que acabaste de limpar? A escolha é inteiramente tua, pois o livre-arbítrio é o teu direito por nascença, mas sê honesto contigo mesmo e avalia se realmente te tens tratado como mereces, ou se, à medida que realizas o teu trabalho interior por um lado, continuas a repetir padrões e a utilizar estratégias de atraso pelo outro.
Estas estratégias são mecanismos de defesa do ego. Tem a consciência de que existe uma parte em ti que não quer perder o controlo, entregar-se e largar tudo aquilo que conhece como certo, para arriscar numa aventura para a qual não existe um percurso rigidamente definido e para a qual “não se conhece o final”.
Tudo bem, não te martirizes. O teu ego existe e está de boa saúde. Se a sabedoria divina quis que assim fosse, por algum motivo terá sido, mas existe uma grande diferença entre conhecer e comandar o ego e em ser comandado por ele.
COMO TE DESINTOXICARES?
Ao nível FÍSICO
1) Faz exercício. As caminhadas na natureza são particularmente eficazes durante os períodos de desintoxicação.
2) Bebe muita água. Ajuda a eliminar as toxinas do corpo e promove as trocas entre as células. O teu cérebro e o teu coração também agradecem.
3) Come frutos e legumes em maior quantidade e reduz ou retira totalmente da tua alimentação por uns dias a carne e o peixe, o café e os refrigerantes.
4) Dorme bastante, recupera o sono perdido. Não penses no que ainda tens por fazer. Permite-te ter o descanso que mereces.
5) Faz jejum, por cinco dias. Gradualmente, reduz os alimentos acima referidos, durante dois dias. No terceiro dia, alimenta-te apenas de frutas e legumes, sopas e sumos nutritivos. Nos dois dias seguintes, integra gradualmente na tua alimentação os restantes sólidos.
6) Não te apresses em tratar os sintomas com medicamentos. Procura as alternativas naturais, pára e reflecte. Limpa-te de todo o ressentimento, dúvida e medo. Vais ver que começas a adoecer muito menos e que, quando isso acontece, recuperas imediatamente.
Ao nível EMOCIONAL
1) Liberta as suas emoções reprimidas. Vê um bom filme, lê um bom livro, está com quem amas, entra em contacto com a tua parte sensível. Chora, ri-te, sê espontâneo.
2) Diz o que sentes. Sê honesto e transparente com os outros acerca dos teus sentimentos e desejos. Eles até podem ser pessoas intuitivas, mas não têm sempre de adivinhar, certo?
3) Vive sem medo. O dia de hoje é uma dádiva. Arrisca-te a torná-lo um dia espectacular. Só por hoje, acredita que é possível, que os teus problemas de alguma forma se irão resolver e que tudo o que precisas chegará até ti sem esforço. Quem sabe te surpreendas...
4) Agradece pelo que tens. Olha à tua volta. Encontrarás exemplos de pessoas que são bem-sucedidas em áreas que para ti são importantes. E encontrarás também exemplos de pessoas que não têm nem metade dos teus recursos, e que provavelmente até são felizes. Seja como for, ambos os tipos de pessoas são reflexos de ti mesmo, das tuas noções de falta e de abundância. Lembra-te de agradecer pelo que tens e por estares vivo. Essa, sim, é uma dádiva sem preço.
Ao nível MENTAL
1) Deixa-te de conversa fiada. “Bla, bla, bla.” O que estás a fazer com o teu tempo?
2) Vigia os teus comentários críticos e negativos. Quando apontamos um dedo a alguém, na verdade, temos três dedos apontados para nós. A crítica é apenas uma forma de tentar controlar algo que não é controlável. Cada qual é como é. E tu também tens direito a ser assim, tal como és, sem reservas.
3) Utiliza novas expressões e cria diálogos positivos. Retira do teu vocabulário as palavras e expressões “não”, “nunca”, “não sei”, “talvez”, “se eu...”, “coitadinho”, “não há nada a fazer”, “estúpido”, e outras afins. O que tu dizes manifesta-se.
4) Só por hoje, tem esperança, e deixa que esse optimismo fique gravado nos teus pensamentos e conversas. O que tu sentes também se manifesta, por isso cultiva em ti sentimentos positivos para viveres rodeado de experiências positivas. E se em algum momento tiveres uma experiência negativa, torna-a positiva, ri-te dela, aceita-a tal como é e segue em frente. Foi só mais uma cena nesta gigante peça de teatro que é a tua vida.
5) Visualiza, imagina, sonha acordado. Isso mesmo, imagina o teu maior sonho, com todos os detalhes, não te inibas. Na privacidade do teu delírio acordado, permite-te sonhar com toda a força aquilo que mais queres neste momento, aquilo que mudarias neste preciso momento na tua vida. Sonha muitas vezes durante esta semana. E vê os resultados..vel ESPIRITUAL
Acredita. Não importa no quê. Acredita no divino. Deixa que o divino se revele em ti, se manifeste e te surpreenda.
2) Perdoa, liberta, ama. A maior libertação espiritual que podes dar a ti mesmo e aos outros é o perdão incondicional. Perdoa! Já passou. Não peças mais nada. Aceita as coisas tal como são. E sê feliz por estares aqui!


Recebido por e-mail

domingo, 25 de março de 2012

Livros

Marley & Eu: a Vida e o Amor ao Lado do Pior Cão do Mundo (no original em inglês, Marley and Me: Life and Love with the World's Worst Dog) é um livro de não-ficção escrito pelo jornalista norte-americano John Grogan.
Através de uma narrativa em primeira pessoa, John Grogan relata a história real de seu cachorro da raça labrador americano chamado Marley e sua participação durante treze anos na sua vida.
O livro é um best-seller em vários países, inclusive no Brasil e nos Estados Unidos.

Inf. Net

quinta-feira, 22 de março de 2012

Dia Mundial da Água




Nunca perca a fé na humanidade, pois ela é como um oceano. Só porque existem algumas gotas de água suja nele, não quer dizer que ele esteja sujo por completo.Mahatma Gandhi



quarta-feira, 21 de março de 2012

Dia Mundial da Poesia


Poesia é a vida cantada,
Umas vezes rimada,
Outras vezes não.
Poesia é a vida chorada
Quando as palavras
São acompanhadas
Das lágrimas do coração.
Poesia é viver fingindo
Aquilo que se não sente
Ou aquilo que se esconde...
O poeta é um fingidor
Mas não se sabe até onde...
Há coisas que ficam guardadas,
Há outras que são pintadas
Com as cores do arco-íris,
Num mundo de fantasia
Que vive dentro de nós
E que ajuda a caminhada
Nesta estrada conturbada
Desta vida tão atroz.
Poesia são olhos iluminados
Por todos os nossos desejos
Poesia é chorar cantando,
Poesia é viver sonhando,
Em segredo, dentro de nós.

Leonor Costa

terça-feira, 20 de março de 2012

Soneto do amor na Primavera






-Dá-me todas tuas rosas nesta nova primavera


Dar-te-ei em troca muito mais do que esperas


Dar-te-ei luz, novas cores, novas eras


E meu amor, muito mais do que quimeras


Por tuas rosas, dar-te-ei a minha vida


Dar-te-ei tudo, tu serás minha querida


Para sempre a minha amada


Pela simples poesia desenhada


E nos caminhos mais floridos, dar-te-ei dias tão lindos


Entre todas tuas rosas, dar-te-ei a minha prosa


Dar-te-ei o meu estar e a razão mais exata de sonhar


Nessa nossa primavera, muito mais que tuas rosas


Dar-te-ei o meu calor, dar-te-ei todo meu ar


Dar-te-ei o meu amor, simplesmente por te amar








segunda-feira, 19 de março de 2012

Pai




Entre o sonho e a realidade
Debato-me com a vontade
De voltar a ser criança.
De ver teus olhos, meu pai,
Que há tantos anos não vejo
Tão doces e carinhosos,
Tão cheios de amor por mim….
Que saudades eu tenho
Das minhas brincadeiras,
Dos meus risos, da minha inocência!
Teus braços eram o paraíso
Onde adormecia cansada…
Depois, com amor,
Levavas-me para a caminha,
Um ninho de andorinha
Onde eu me aninhava.
Que saudades eu tenho
De voltar a ser essa pessoa
Tão alegre, tão diferente…
Hoje já não tenho os teus braços,
Nem teus beijos e carinhos,
A minha maior riqueza….
Muitos anos já passaram
Sobre o dia em que partiste….
E quão sozinha me senti então.
Partiste… mas não morreste!
VIVES NO MEU CORAÇÃO!

Leonor

quinta-feira, 15 de março de 2012

Até quando terás, minha alma, esta doçura






Até quando terás, minha alma, esta doçura,
este dom de sofrer, este poder de amar,
a força de estar sempre – insegura – segura
como a flecha que segue a trajetória obscura,
fiel ao seu movimento, exata em seu lugar…?

Cecília Meireles

sábado, 10 de março de 2012

Recados

Sinto a falta dos comentários dos meus amigos!

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

O FOLHETO!

Todos os domingos à tarde, depois da missa da manhã na igreja, ovelho padre e seu sobrinho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos sacros.
Numa tarde de domingo, quando chegou à hora do padre e seu sobrinho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito. O menino se agasalhou e disse:
-Ok, tio padre, estou pronto. '
E o padre perguntou:
-'Tio, está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos. '
O padre respondeu:
-'Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito. '
O menino olhou surpreso e perguntou:
-'Mas tio, as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?'
O padre respondeu:
-'Filho, eu não vou sair nesse frio. '
Triste, omenino perguntou:
-'Tio, eu posso ir? Por favor!'
O padre hesitou por um momento e depois disse:
-'Filho, você pode ir. Aqui estão os folhetos. Tome cuidado, filho. '
-'Obrigado, tio!'
Então ele saiu no meio daquela chuva. Este menino de onze anoscaminhou pelas ruas da cidade de porta em porta entregando folhetos sacros a todos que via.
Depois de caminhar por duas horas na chuva, ele estava todo molhado, mas faltava o último folheto. Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam totalmente desertas. Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha. Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu. Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta. Ele esperou, mas não houve resposta.
Finalmente, este soldadinho de onze anos se virou para ir embora, mas algo o deteve. Maisuma vez, ele se virou para a porta, tocou a campainha e bateu na porta bem forte. Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda. Ele tocou de novo e desta vez a porta se abriu bem devagar.De pé na porta estava uma senhora idosa com um olhar muito triste. Ela perguntou gentilmente:
-'O que eu posso fazer por você, meu filho?'
Com olhos radiantes e um sorriso que iluminou o mundo dela, estepequeno menino disse:
-'Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR. '
Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora.Ela o chamou e disse:
-'Obrigada, meu filho!!! E queDeus te abençoe!!!'
Bem, na manhã do seguinte domingo na igreja, o Padre estava no altar, quando a missa começou ele perguntou:
- 'Alguém tem umtestemunho ou algo a dizer?'
Lentamente, na última fila da igreja, uma senhora idosa se pôs de pé.Conforme ela começou a falar, um olhar glorioso transparecia em seu rosto.
- 'Ninguém me conhece nesta igreja. Eu nunca estive aqui. Vocês sabem antes do domingo passado eu não era cristã. Meu marido faleceu a algum tempo deixando-me totalmente sozinha neste mundo. No domingo passado, sendo um dia particularmente frio e chuvoso, eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver.
Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi as escadas para o sótão da minha casa. Eu amarrei a corda numa madeira no telhado, subi na cadeira e coloquei a outra ponta da corda em volta do meu pescoço.De pé naquela cadeira, tão só e de coração partido, eu estava a ponto de saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou. Eu pensei:
-'Vou esperar umminuto e quem quer que seja irá embora. '
Eu esperei e esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa que estava tocando também começou a bater bem forte. Eu pensei:
-'Quem neste mundo pode ser? Ninguém toca a campainha da minha casa ou vem me visitar. '
Eu afrouxei a corda do meu pescoço e segui em direção à porta,enquanto a campainha soava cada vez mais alta.
Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na minha varanda estava o menino mais radiante e angelical que já vi em minha vida. O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês! As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito tempo SALTASSE PARA A VIDA quando ele exclamou com voz de querubim:,
-'Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO. '
Então ele me entregou este folheto que eu agora tenho em minhas mãos.
Conforme aquele anjinhodesaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e atenciosamente li cada palavra deste folheto.
Então eu subi para o sótão para pegar a minha corda e a cadeira. Eu não iria precisar mais delas. Vocês vêem - eu agora sou uma FILHA FELIZ DE DEUS!!!
Já que o endereço da igreja estava no verso deste folheto, eu vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO ao anjinho deDeus que no momento certo livrou a minha alma de uma eternidade no inferno. '
Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos na igreja.o Velho Padre desceu do altar e foi em direção a primeira fila onde o seu anjinho estava sentado. Ele tomou o seu sobrinho nos braços e chorou copiosamente.
Provavelmente nenhuma igreja teve um momento tão glorioso como este.
Bem aventurados são os olhos que vêem esta mensagem. Não deixe que ela se perca, leia-a de novo e passe-a adiante.
Lembre-se: a mensagem deDeus pode fazer a diferença na vida de alguém próximo a você.
Por isso...
- Me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria dedizer que JESUS TE AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto.

Texto de e-mail enviado por um amigo.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

ONDE ESTÃO





Onde estão os meus amigos que me visitavam?.... Estou aqui... Tenho saudades e sinto a vossa falta...




segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

QUE FRIO......

....nem apetece deitar o nariz de fóra...

Bom fim de semana!