quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

BOAS FESTAS


feliz natal - Recados Para Hi5
Desejo a todos os que por aqui passarem um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de coisas boas.
Um abraço.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

AQUECE-ME AO MENOS AS MÃOS!

Sol nulo dos dias vãos
Cheios de lida e de calma,
Aquece ao menos as mãos
A quem não entras na alma!

Que ao menos a mão, roçando
A mão que por ela passe,
Com externo calor brando
O frio da alma disfarce!

Senhor, já que a dor é nossa
E a fraqueza que ela tem,
Dá-nos ao menos a força
De a não mostrar a ninguém!



Fernando Pessoa

domingo, 19 de dezembro de 2010

FANTASIAS DE NATAL


Quem se recorda desta menina???

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

PARA TI- de LUÍSA CASTEL-BRANCO


"Este livro marca uma importanta viragem no meu percurso de vida. Porquê agora? Não sei. Ou talvez saiba apenas que de repente, um repente de 56 anos, de muitas lágrimas, risos, muitas desilusões, algo dentro de mim se quebrou como um vaso que cai no chão sem que alguém lhe tivesse tocado.

Quem me ler veja nestes textos o que lhe vier à alma. Não existe aqui um fio condutor. São olhares dispersos. São pedaços de mim. São pedaços de vida que roubei, uma mulher sentada no café com a tristeza estampada no rosto, os velhos no jardim a passear de mão dada; enfim, milhares de pequenas coisas sem importância que para mim perfazem a vida. Os meus olhos nunca viram o mesmo que os das outras pessoas.

É por isso a escrita, esta necessidade demente de colocar no papel a imagem, o som, a dor e a alegria que vejo ou invento, e aí, sem amarras nem prisões, levantar voo.

Este textos são o rasultado desse sobrevoar as casas e as ruas e vestir de histórias seres humanos que não conheço, lares em que nunca entrei, dores que não conheci. Partilhar a visa sem máscaras, artifícios ou mentiras. A vida tal como ela é."

****************************************

Um livro que estou a ler e que considero interessante. Oportunamente, transcreverei um dos textos.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

HISTORIAS QUE A VIDA NOS ENSINA




Uma simples pergunta que deu origem a um elo nas relações entre seres humanos. É verdade!

Agora sei que ela se chama Quelinha e ele, apenas Amor…

Os horários dos comboios sofreram alterações em consequência de ser feriado. Quelinha pediu-me para lhe explicar porquê não havia o comboio do costume. Acrescentou que estava ainda em convalescença de uma grave depressão e por essa razão se confundia e entrava em stress tão facilmente.

Percebi desde logo que tinha uma sede imensa de se abrir e falar. Precisava de alguém que aceitasse o que fazia e de como o fazia e o que a levava a fazê-lo.

Choramingou. Não deixei. Dei-lhe toda a força. Toda a que não sinto em mim, mas que de não sei bem donde, consegui fazê-la sorrir, quando a minha alma chora torrentes de lágrimas, que apenas se perdem no meu peito, porque não existem ombros solidários.

Tentei dar segurança e criar autoconfiança em Quelinha, que receava não ser capaz de acertar na estação onde haveria de sair.

Tocou o telefone dentro da mala dela e respondeu com um “Amor”, que estava acompanhada e apoiada. E assim foi, até a ter entregue nos braços do seu “Amor”.

Quelinha contou-me ser casada, mas que desde os trinta e dois anos, o marido, que sofrera um acidente vascular grave, derivado a um tumor cerebral e desde essa altura, apenas era um bebé. Passam entretanto trinta e três anos…

Depois contou que tipo de medicamentos toma diariamente, quem são os seus médicos e como conheceu a pessoa com quem se ia encontrar.

E o comboio chegou à estação para onde íamos. Descemos e de novo o telefone tocou. Disse-lhe onde estava e que eu a acompanhava. Ele chegou. Um homem já meio idoso, aliás, como Quelinha e muito bem parecido e tão gentil…

Formavam um par perfeito e lá seguiram, enquanto eu me afastava para seguir para onde ia.

O resto do dia decorreu sem incidentes e nunca deixei de pensar naquela mulher e naquele homem, que sem deixarem de respeitar os seus compromissos, partilhavam um carinho belo e ternurento, que lhes vai dando força para continuarem vivos e com coragem para enfrentarem os revezes das suas vidas.

Esta lição de vida permitiu-me ver com certa lucidez o que me preocupa muitas vezes, porque o preconceito de certas teorias acaba por atrofiar o que mais belo temos dentro de nós – o Amor!...



Isabel do Carmo

13.06.06


**************************

Percorrendo um dos blogues da minha querida amiga Isabel do Carmo, detive-me neste texto, um dos meus preferidos. Encantou-me esta História de Amor verdadeira. Era assim que a Isabel nos encantava com a sua escrita cheia de sensibilidade. Aqui fica, numa sincera homenagem a história da Quelinha e do homem chamado Amor... encimada por uma rosa rubra como ela gostava...

sábado, 20 de novembro de 2010

PROCURA-SE UM AMANTE

Muitas pessoas têm um amante, e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam. Geralmente são estas últimas que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insónia, apatia, pessimismo, crises de choro, ou as mais diversas dores. Elas contam-me que as suas vidas correm de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar o tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente a perder a esperança. Antes de me contarem tudo isto, já tinham estado noutros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme: "Depressão"... além da inevitável receita do anti-depressivo do momento. Assim, depois de as ouvir atentamente, eu digo-lhes que elas não precisam de nenhum anti-depressivo. Digo-lhes que o que elas precisam é de um Amante!É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem o meuconselho. Há as que pensam: "Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa destas ?!".Há também as que, chocadas e escandalizadas, despedem-se e não voltam nunca mais. Ás que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico-lhes o seguinte: Amante é "aquilo que nos apaixona". É o que toma conta do nosso pensamento antes de adormecermos, e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir. O nosso Amante é o que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.Às vezes encontramos o nosso amante no nosso parceiro, outras vezes, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no desporto, no trabalho, na necessidade de nos transcendermos espiritualmente, numa boa refeição, no estudo, ou no prazer obsessivo do nosso passatempo preferido...Enfim, Amante é "alguém" ou "algo" que nos faz "namorar" a vida e nos afasta do triste destino de "ir vivendo". E o que é "ir vivendo"?"Ir vivendo" é ter medo de viver. É vigiar a forma como os outros vivem, é o deixarmo-nos dominar pela pressão, andar por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastarmo-nos do que é gratificante, observar decepcionados cada ruga nova que o espelho nos mostra, é aborrecermo-nos com o calor ou com o frio, com a humidade, com o sol ou com a chuva.

"Ir vivendo" é adiar a possibilidade de viver o hoje, fingindo contentarmo-nos com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã.
Por favor, não se contentem com "ir vivendo". Procurem um amante, sejam também um amante e um protagonista da vossa vida...Acreditem que o trágico não é morrer, porque afinal a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver, por isso, e sem mais delongas, procurem um amante. A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcendental:"Para se estar satisfeito, activo, e sentirem-se jovens e felizes, é preciso namorar a vida".





Texto: Dr. Jorge BucayLivro: "Hay que buscarse un Amante"

sábado, 13 de novembro de 2010

PEDRA DA ROSETA








'Como Foram Construídas
A Pedra Artificial'

Os inúmeros fatos sem explicação que envolvem a construção das pirâmides levaram muitos estudiosos a buscarem respostas totalmente diferenciadas para a maneira pela qual elas foram erguidas. Um de tais pesquisadores é o químico Joseph Davidovits, professor da Universidade de Toronto, no Canadá, diretor do Instituto de Ciências Arqueológicas Aplicadas (IAPAS), da Barry University, na Flórida, e que ficou famoso por ter sido o criador da química dos geopolímeros, a qual revolucionou a construção civil e a ciência dos materiais. Na obra que escreveu defendendo sua tese — que veremos mais adiante — ele resume as objeções aos conceitos da arqueologia clássica ao dizer que com serras de cobre, é possível cortar madeira, mas não o tipo de granito duro encontrado na
Grande Pirâmide. Implementos de cobre, além disso, não poderiam cortar 2,5 milhões de blocos de calcário em 20 anos. Ele informa, também, que a arte de trabalhar o bronze surgiu no Egito cerca de 800 anos depois da construção das pirâmides de Gizé e que o ferro só chegou mais tarde àquele país e continuou raro, mesmo durante o Império Novo.
Para começar sua discussão esse autor pondera que a própria existência das pirâmides já fornece a prova mais evidente de uma tecnologia sofisticada muito diferente da nossa. Ele informa que em 1987 foi feita uma datação da idade de diversas pirâmides pelo método do radiocarbono e que os resultados indicaram que a Grande Pirâmide era até 450 anos mais antiga do que a egiptologia clássica havia determinado. Tais resultados foram altamente contestados.O autor observa que, ao contrário do que geralmente se afirma, o tamanho dos blocos não diminui invariavelmente à medida em que a pirâmide sobe. Existem centenas de blocos enormes, só superados em tamanho pelas pedras da base, pesando de 15 a 30 toneladas, mais ou menos no nível da
câmara do rei. Eles são tão grandes que ocupam o espaço de dois degraus do monumento. De modo geral, as alturas dos degraus aumentam e diminuem subitamente em 19 nítidas flutuações ao passo que os comprimentos — que o autor mediu em cerca de 10% da área da pirâmide — enquadram-se dentro de 10 medidas perfeitamente uniformes. Elimina-se, assim, — afirma Davidovits — qualquer possibilidade de que os blocos houvessem sido cortados em tamanhos aleatórios, determinados por rachadura e outras características do leito rochoso. Tentativas de explicar a preparação e uso de blocos de dimensões tão uniformes, baseadas na hipótese de corte, deparariam com grandes dificuldades. Este grau de uniformidade exclui inteiramente a possibilidade de corte com instrumentos primitivos.

Dois arqueólogos e arquitetos, George Perrot e Charles Chipiez, referindo-se às esculturas do Império Antigo perguntaram: De que maneira conseguiram os escultores cinzelar essas rochas tão duras? Ainda hoje isto é muito difícil, mesmo usando os melhores cinzéis de aço temperado. O trabalho é muito lento e difícil, e o artista se vê obrigado a parar com frequência para afiar o gume do cinzel, que se torna rombudo em contato com a pedra, e, em seguida, retemperá-lo. Mas os contemporâneos de Kéfren, e todos concordam com isto, não possuíam cinzéis de aço. Acontece, entretanto, que no decorrer do Império Novo e nas épocas posteriores, os egípcios não conseguiram realizar trabalhos semelhantes, mesmo dispondo, então, de ferramentas de bronze. Isso estarrece os estudiosos e o próprio Champollion se mostrou surpreso com a qualidade medíocre das estruturas erquidas no Império Novo. E diga-se ainda que, segundo estimativas do geólogo de Roziere, um dos 150 cientistas que acompanharam Napoleão ao Egito, há mais pedras nas pirâmides de Gizé do que em todas as obras erguidas durante o Império Novo, o Período Tardio e o Período Ptolomaico juntos, uma época que totaliza cerca de 1500 anos.

Além disso, os monumentos erguidos a partir do Império Novo, em sua grande maioria, foram construídos com variedades mais macias de pedra e não com material rochoso duro. Um dos materiais empregado é o arenito psamite que se desagrega facilmente sob pressão muito leve e frequentemente pode ser arranhado com a unha. Com ele foram construídos os templos de Luxor, Karnak, Edfu, Esna e Dendera, sendo que esse último é de época em que o ferro já era conhecido no Egito e mesmo assim optou-se pelo emprego de uma pedra macia. O templo de Abu Simbel também foi escavado em uma montanha de arenito muito macio. Quando se usou o calcário no Império Novo, ele era proveniente de Tura, uma variedade macia muito diferente daquela empregada nos blocos do miolo das pirâmides do Império Antigo, o qual era duro e difícil de cortar. Mais um detalhe: os blocos empregados nas construções do Império Novo e épocas posteriores, com raras exceções, eram de pequenas dimensões, como se pode notar na foto do templo de Luxor acima, ao passo que no Império Antigo eram empregados blocos gigantescos. Os templos de Karnak têm pilones imensos, mas todos formados por blocos pequenos. Por sua vez, vigas monolíticas de algumas pirâmides do Império Antigo pesam 80 toneladas e o Templo do Vale da pirâmide de Kéfren exibe blocos que pesam pelo menos 500 toneladas.

As pirâmides do Império Antigo — resume Davidovits — consistem fundamentalmente em calcário abundante e carcaças fósseis, um material heterogêneo, de corte extremamente difícil. Templos de fins da XVIII dinastia (1400 anos a.C.) são encontrados por todo o Egito. Foram construídos com calcário branco muito macio, mesmo quando erigidos em regiões inteiramente graníticas, como no sul. Após a XVIII dinastia, o emprego de calcário macio cedeu finalmente lugar ao arenito mole. Arenito de Silsilis, no sul do Egito, foi usado para construir os templos de Karnak, Luxor e Edfu, no tempo do Império Novo. O material é homogêneo, mole e fácil de esculpir. E a seguir o autor enfatiza: Aí reside o grande paradoxo tecnológico do Egito: numa ocasião em que as ferramentas eram de pedra e cobre, utilizou-se um volume imenso de variedades duras de pedra, mas logo que foram adotados o bronze e o ferro, os egípcios usaram apenas os materiais mais frágeis. E conclui: Há mais do que prova abundante para confirmar a existência de dois diferentes métodos de construção em alvenaria, usados em épocas diferentes e com resultados muito diversos.

Ao analisar a hipótese clássica da egiptologia que explica a construção das pirâmides, esse autor considera que problemas permanecem sem solução a despeito de numerosos estudos, e fatos importantes foram ignorados. No que se refere ao conceito de que os blocos foram extraídos das pedreiras, ele cita o estudo de uma equipe de geoquímicos da Universidade de Munique, Alemanha, que tinha por objetivo datar os vários métodos de exploração das pedreiras usados no Egito ao longo da história. A conclusão a que chegaram foi a de que não há absolutamente vestígios de extração de blocos das pedreiras em época anterior a 1600 a.C. De que modo teriam então os egípcios retirado pedra em tempos mais antigos para erguer as pirâmides? O estudo concluiu também que o método de extrair pedras com o uso de cunhas de madeira jamais foi empregado pelos egípcios, mas sim exclusivamente pelos romanos quando ocuparam o Egito. Se esse tosco método houvesse sido empregado na construção das pirâmides, como se alega, — comenta o autor — o volume de detritos em Gizé seria espantoso, incluindo incontáveis milhões de blocos rachados e inaproveitáveis.

Outro item que Davidovits analisa refere-se ao uso de rampas. Ele pondera que uma vez que as polias só foram conhecidas no Egito durante a ocupação romana e que a roda foi introduzida pelos hicsos somente no final do Império Médio, a única opção que a evidência arqueológica oferece para erguer blocos é a rampa. No caso da Grande Pirâmide, calculou-se que qualquer rampa reta teria o comprimento de cerca de 1600 metros e que conteria uma quantidade imensa de material. Sua grande largura e comprimento teriam coberto a pedreira. Quanto a possíveis rampas helicoidais, lembra que nenhuma delas jamais foi encontrada. Cita também uma rampa de barro que foi achada em Saqqara no sítio da pirâmide de Sekhemkhet, da III dinastia, mas alerta que essa pequena pirâmide não contém grandes blocos e pondera que transportar blocos pequenos rampa acima era a maneira mais sensata e óbvia para construir esse tipo de pirâmide. Já com relação ao fato de existirem restos de rampas em Gizé, o autor considera que o volume tremendo de material exigido pela teoria padrão não foi encontrado, e embora se possa esperar que um material constituído na maior parte de terra se degrade com o tempo, um pequeno volume de restos sugere apenas o uso de pequenas rampas destinadas a escalar as pirâmides.
O faraó Amósis, da XVIII dinastia, ordenou que extraíssem das pedreiras de Tura a pedra mole para a construção do templo do deus Ptah, em Mênfis. É daquela época e local uma estela encontrada por arqueólogos e que se perdeu no século XIX. Ela mostrava, como se vê acima, um bloco de pedra sobre um trenó sendo puxado por parelhas de bois. A estela de Tura — diz Davidovits — não constitui prova aceitável em apoio à teoria tradicional de construção, uma vez que foi erigida quase mil anos após a construção da Grande Pirâmide. A estela de Tura e outros documentos usados para apoiar a teoria tradicional são produtos de uma sociedade que explorava tecnologia diferente da de seus ancestrais. Todas as civilizações duradouras e bem-sucedidas forçosamente tiveram tecnologias novas e outras que declinaram. Depois de lembrar que historiadores, com pouquíssimas exceções, consideram as civilizações antigas como tecnologicamente inferiores à nossa em todos os sentidos, o autor cita vários fatores que causaram a destruição geral do repositório de informações tecnológicas egípcias. Dentre eles, os períodos de anarquia da história egípcia, as invasões de povos estrangeiros, o incêndio da biblioteca de Alexandria, os saques dos túmulos, inclusive com emprego de pólvora e aríetes, tudo contribuíndo para que os conhecimentos científicos não fossem transmitidos com perfeição da antiguidade até os nossos tempos. (...) Na literatura erudita prevalece um complexo de superioridade moderno, a despeito da prova de que uma grande tecnologia esquecida foi usada na construção das pirâmides.

E qual seria essa grande tecnologia esquecida? Entendendo tecnologia como um conjunto de princípios científicos que se aplicam a um determinado ramo de atividade, Davidovitz afirma que a ciência que tornou possível as pirâmides foi a química, ou mais exatamente, sua precursora, a alquimia. Em épocas tão remotas quanto o ano pré-histórico de 3800 a.C. os alquimistas egípcios criaram um esmalte azul vibrante. Um experimentador qualquer misturou pó de crisocola com natrão e aplicou uma chama. Obteve um esmalte duro, lustroso, azul, que era em seguida derretido e aplicado em contas e pedras. Os antigos egípcios são bem conhecidos por usarem minerais como crisocola e lápis-lazúli a fim de produzir esmaltes, que para eles constituíam imitações desses minerais ou pedras. Possuíam, inclusive, uma palavra para esses produtos, ari-kat, significando feitos pelo homem ou sintéticos. (...) Esta velhíssima tradição revela o próprio núcleo de uma notável invenção alquímica relevante para a solução do enigma da construção das pirâmides: os sacerdotes de Khnum há muito eram peritos na arte de fabricação de cimentos extraordinários. Cimento encontrado em várias partes da Grande Pirâmide tem cerca de 4500 anos de idade, mas ainda está em boas condições. Essa argamassa antiga é muito superior aos cimentos hoje usados em construção civil. O moderno cimento Portland, usado para reparar antigos monumentos egípcios, rachou e degradou-se em apenas 50 anos.

Depois dessas considerações, o químico e — lembramos mais uma vez — criador de um novo ramo da química, a geopolimerização, Joseph Davidovits, finalmente apresenta a sua tese: Se os egípcios antigos possuíam capacidade de produzir cimento de qualidade excepcionalmente alta, o que os impediria de adicionar ao mesmo carcaças fósseis a fim de produzir concreto calcário de primeiríssima classe? A resposta é que nada os impediu. Demonstrarei adiante que os blocos da pirâmide não são pedra natural, mas, na verdade, concreto de calcário de qualidade excepcionalmente alta — pedras sintéticas — moldadas diretamente no local. Os blocos consistem de cerca de 95% de pedregulho de calcário e de 5 a 10% de cimento. Constituem imitações de calcário natural, fabricados segundo a antiquíssima tradição de produção alquímica de pedras. Nenhum corte de pedra ou exaustivas operações de arrastamento ou içamento foram jamais necessárias à construção das pirâmides.
Inf. NET

terça-feira, 2 de novembro de 2010

COISAS QUE APRENDI COM VOCÊ....

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você pegar o primeiro desenho que fiz, e,
prendê-lo na geladeira, e,
imediatamente, tive vontade de fazer outros para você.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você dando comida a um gato de rua, e,
aprendi que é legal tratar bem os animais.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você fazer meu bolo favorito, e,
aprendi que as coisas pequenas podem ser as mais especiais na nossa vida.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
ouvi você fazendo uma oração, e,
aprendi que existe um DEUS com quem eu posso sempre falar, e,
em quem eu posso sempre confiar.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você fazer comida e levar para uma amiga que estava doente, e,
aprendi que todos nós temos que ajudar a tomar conta uns dos outros.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você dando seu tempo e seu dinheiro para ajudar as pessoas mais necessitadas, e,
aprendi que aqueles que têm alguma coisa devem ajudar quem nada tem.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu percebi você me dando um beijo de boa noite, e,
me senti uma pessoa amada e segura.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você tomando conta da nossa casa e de todos nós, e,
aprendi que nós temos que cuidar com carinho daquilo que temos, e,
das pessoas que gostamos.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi como você cumpria com todas as suas responsabilidades, mesmo quando não estava se sentindo bem, e,
aprendi que eu tinha que ser responsável quando crescesse.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi você se desculpar com uma amiga, embora tivesse razão, e,
aprendi que às vezes vale a pena abrir mão de um ponto de vista
para preservar a amizade e o bem-estar nos relacionamentos.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu vi lágrimas nos seus olhos, e,
aprendi que, às vezes, acontecem coisas que nos machucam,
mas,que não tem nenhum problema a gente chorar.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu percebi você cuidando do vovô com carinho e atenção, e,
aprendi que devemos tratar bem, e,
respeitar aqueles que nos cuidaram na infância.

Quando você pensava que eu não estava olhando...foi que,
aprendi a maior parte das lições que precisava
para ser uma pessoa boa, e, produtiva quando crescesse.

Quando você pensava que eu não estava olhando...
eu olhava para você e queria lhe dizer:"obrigado por todas as coisas que eu vi e aprendiquando você pensava que eu não estava olhando!"

------------------Esta é uma mensagem portadora de grandes motivos de reflexãopara todos os educadores que desejam atingir seus nobres objetivos no campo da educação. É uma mensagem importante porque nos faz pensar que nossos educandos...estão nos olhando e memorizandomais o que fazemos do que o que dizemos. Nossos gestos e nossas ações produzem lições mais efetivasdo que muitas palavras vazias, jogadas ao vento. E lembrem-se sempre: alguém está observando e aprendendo algo com você,em todos os momentos!!!

domingo, 26 de setembro de 2010

AMIZADE


De mais ninguém, senão de ti, preciso:
Do teu sereno olhar, do teu sorriso,
Da tua mão pousada no meu ombro.
Ouvir-te murmurar: “Espera e confia!”
E sentir converter-se em harmonia,
O que era, dantes, confusão e assombro


Carlos Queirós.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

DESIDERATA



Vai serenamente por entre a agitação e a pressa e lembra-te da paz que pode haver no silêncio. Sem seres subserviente, mantém-te tanto quanto possível, em boas relações com todos. Diz a tua verdade calma e claramente e escuta com atenção os outros, mesmo que menos dotados e ignorantes; também eles têm a sua história. Evita as pessoas barulhentas e agressivas; são mortificações para o espírito. Se te comparas com os outros podes tornar-te presunçoso e melancólico porque haverá sempre pessoas superiores e inferiores a ti. Apraz-te com as tuas realizações tanto como com os teus planos. Põe todo o interesse na tua carreira ainda que ela seja humilde; é um bem real nos destinos mutáveis do tempo. Usa de prudência nos teus negócios porque o mundo está cheio de astúcia; mas que isto não te cegue a ponto de não veres virtude onde ela existe; muitas pessoas lutam por altos ideais e em todo o lado a vida está cheia de heroísmo. Sê fiel a ti mesmo. Sobretudo não simules afeição nem sejas cínico em relação ao amor porque, em face da aridez e do desencanto, ele é perene como a relva. Toma amavelmente o conselho dos mais idosos, renunciando com graciosidade às ideias da juventude. Educa a fortaleza de espírito para que te salvaguarde numa inesperada desdita. Mas não te atormentes com fantasias. Muitos receios surgem da fadiga e da solidão. Para além de uma disciplina salutar, sê gentil contigo mesmo. Tu és um filho do universo e, tal como as árvores e as estrelas, tens direito de o habitar. E quer isto seja ou não claro para ti, sem dúvida que o universo é-te disto revelador. Portanto, vive em paz com Deus seja qual for a ideia que Dele tiveres. E quaisquer que sejam as tuas lutas e aspirações, na ruidosa confusão da vida, conserva-te em paz com a tua alma. Com toda a sua falsidade, escravidão e sonhos desfeitos o mundo é ainda maravilhoso. Sê cauteloso. Luta para seres feliz.


Encontado, em 1692, na Igreja de Saint Paul - Baltimore

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

AQUELA RUA!


"Será que devemos esquecer que ao fundo daquela rua há uma esquina? Será que, se o recordarmos vamos sempre lembrar a escorregadela que lá sofremos? Incrível! Pois é! Por mais incrível que pareça é exactamente por essa rua que me apetecia ir passar… talvez até só para recordar a escorregadela que sofri, não reparando que, para acender um cigarro (e isto já lá vão uns largos tempos, pois há muito que já nem fumo…), desconcentrava-me da atenção essencial que aquela rua me merecia, por ser tão escorregadia… Somos realmente assim, em tudo! Quanto mais escorregamos, mais nos apetece escorregar…Mas lembro-me daquela rua, porque aquela rua me transporta, não só à escorregadela, mas e também à minha actividade como voluntária, ensinando numa Universidade Sénior.

Que saudade! Por motivos, mesmo contra a minha vontade, estou sem exercer a minha actividade… a ver vamos se posso recomeçar em breve. Adoro ensinar!
Mas ainda volto àquela rua. Quando olho ao fundo, vejo o Tejo, brilhante como cetim de seda fazendo de cama a algum barco que desliza de mansinho… O sol reflecte-se nas águas e gosto de sentir os olhos a sofrer as consequências desse brilho. Gosto de ver os prédios encavalitados como que a não querer deixar espaço para a passarada que pela Primavera esvoaça por aí… e tantos automóveis! Pelos passeios e mostrando como civicamente somos tão pouco respeitadores…"

26.03.09
Escrito por Isabel do Carmo

ooooooooooooooooooooooooooooo


Sinto saudades dela, muitas... Havia entre nós uma amizade gerada por forte empatia. Sinto saudades dela, que há bem pouco partiu. Curioso que, muitas vezes, certos sentimentos são mais fortes e dolorosos depois da pessoa partir e deixar a trás de si tão boas recordações...
Hoje senti vontade de homenageá-la incluindo no meu blogue este texto. E assim o fiz, com todo o respeito e carinho.

A Isabel partiu.... mas eu não tenho a certeza... Ela está no meu coração.

Beijos, Isabel!

sábado, 18 de setembro de 2010

******

"Senhor dá-me serenidade para aceitar tudo aquilo que não pode e não deve ser mudado. Dá-me força para mudar tudo o que pode e deve ser mudado. Mas, acima de tudo, dá-me sabedoria para distinguir uma coisa da outra."

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

terça-feira, 14 de setembro de 2010

VAI AONDE TE LEVA O CORAÇÃO


"Quando te sentires perdida, confusa, pensa nas árvores, lembra-te da forma como crescem. Lembra-te de que uma árvore com muita ramagem e poucas raízes é derrubada à primeira rajada de vento, e de que a linfa costuma correr numa árvore com muitas raízes e pouca ramagem. As raízes e os ramos devem crescer de igual modo, deves estar nas coisas e estar sobre as coisas, só assim poderás dar sombra e abrigo, só assim, na estação apropriada, poderás, cobrir-te de flores e de frutos.E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar.".

Parte final do Livro de Susana Tamaro-Vai aonde te leva o coração.
Entre o coração e a razão por vezes há grandes lutas... Então qual seguir?

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

ISABEL DO CARMO




No dia 4 de Setembro, ás 11 horas da manhã, minha amiga Isabel partiu. Deixou boas lembranças,exemplos duma mulher corajosa, sensível e com um coração cheio de amor. Com ela iniciei o meu blogue, com ela aprendi muitas coisas. Foi Professora de Inglês na Universidade Internacional Para A Terceira Idade, onde era amada por todos os alunos. Foram três anos de luta, três anos de ausência, três anos de saudade em que esteve sempre nos nossos corações, e onde vai viver, pois a Isabel continua viva para nós.









quarta-feira, 4 de agosto de 2010

MEDICINA QUÂNTICA


A Medicina Quântica está assente nos princípios da Física Quântica, que nos informa de que tudo no universo vibra a uma frequência única e individual, inclusivamente o Ser Humano.
Através desta nova tecnologia, podemos registar as frequências emitidas pelo organismo, ao nível celular e emocional, e compará-las com uma base de dados onde constam os valores que correspondem a frequências de normalidade e equilíbrio de um Ser Humano saudável.

Nesta consulta o paciente é ligado ao sistema de Medicina Quântica através de bandas electromagnéticas, na cabeça, pulsos e tornozelos.

Estabelecida esta conexão, será feito o teste onde serão analisados valores ao nível do stress, das emoções, dos órgãos e dos tecidos. Observam-se também os níveis das vitaminas, minerais e aminoácidos, assim como intolerâncias alimentares, ondas cerebrais e neurotransmissores.

Para além de serem observadas e confirmadas situações patológicas já estabelecidas, toma-se conhecimento das funções do corpo mais comprometidas, revelando-se desta forma, possíveis predisposições patológicas. Tendo acesso a esta informação consegue-se actuar na medida mais inteligente da saúde – a prevenção.
Este sistema de Medicina Quântica actua em dois sentidos, o do diagnóstico, (supra descrito) e o da terapia.

No sentido do tratamento, após serem analisados os resultados, são seleccionadas as terapias a realizar de acordo com o quadro clínico. Estas terapias actuam a um nível vibracional, alterando a frequência do órgão, sistema ou emoção em desequilíbrio, devolvendo ao organismo o seu correcto funcionamento e promovendo uma sensação de harmonia e bem-estar.

Na Medicina Quântica conseguem-se resultados cientificamente comprovados em variadíssimas doenças (degenerativas, auto-imunes, inflamatórias, emocionais, entre outras).

Esta forma de terapêutica e diagnostico tem a vantagem de ser indolor e isenta de efeitos secundários, sendo também bastante útil quando aplicada às crianças pela dificuldade que estas têm em expressar o que sentem.

Tomar consciência do que se passa com o nosso organismo é o melhor passo para a saúde. A Medicina Quântica torna-se por isso um acto clínico imprescindível a cada um de nós.

Inf.Net.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

CASOS ESTRANHOS

Gostaria de saber a vossa opinião....

Feche e música do blog, p.f.

sábado, 10 de abril de 2010

OS PÉS DA BAILARINA

Alguma vez, enquanto se delicia vendo um bailado cujos saltos da bailarina mais se assemelham a vôos de pássaros que, por baixo das sapatilhas possam existir uns pés tão torturados? Ossos do ofício... Pois é...

domingo, 14 de março de 2010

segunda-feira, 8 de março de 2010


Conta uma testemunha ocular de Nova York:
Num frio dia de Dezembro, alguns anos atrás, um rapazinho de cerca de 10 anos, descalço, estava em pé em frente a uma loja de sapatos, olhando a vitrine e tremendo de frio. Uma senhora se aproximou do rapaz e disse
- Você está com pensamento tão profundo, olhando essa vitrine!
- Eu estava pedindo a Deus para me dar um par de sapatos - respondeu o garoto...
A senhora tomou-o pela mão, entrou na loja e pediu ao atendente para dar meia duzia de pares de meias para o menino. Ela também perguntou se poderia conseguir-lhe uma bacia com água e uma toalha. O balconista rapidamente atendeu-a e ela levou o garoto para a parte detrás da loja e, tirando as luvas, se ajoelhou e lavou seus pés pequenos e secou-os com a toalha. Nesse meio tempo, o empregado havia trazido as meias. Calçando-as nos pés do garoto ela também comprou-lhe um par de sapatos. Ela amarrou os outros pares de meias e entregou-lhe. Deu um tapinha carinhoso em sua cabeça e disse:
- Sem dúvida, vai ser mais confortável agora.
Como ela logo se virou para ir, o garoto segurou-lhe a mão, olhou seu rosto diretamente, com lágrimas nos olhos e perguntou:
- Você é a mulher de Deus?

domingo, 31 de janeiro de 2010

REPUBLICA PORTUGUESA



Saiba mais em:

http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/10591652.html

Ilda Pulga serviu de modelo para o busto da República Portuguesa

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

****

Nos caminhos tortuosos da vida ainda há rosas cor-da-esperança

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

******




"Na vida existem coisas boas e coisas ruins, para mim existem apenas boas, porque tenho você."
Stephanie Moss