quarta-feira, 30 de setembro de 2009

TERRAS DA NOSSA TERRA - II






Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rio de Onor
Concelho
Bragança
Área
45,37km².
População
126 (hab.
2001)Densidade
2,8 hab./km²
Freguesias de Portugal

Rio de Onor
Casas tradicionais em Rio de Onor

Rio de Onor é uma
freguesia portuguesa do concelho de Bragança, com 45,37 km² de área e 126 habitantes (2001). Densidade: 2,8 hab/km².
Rio de Onor subsiste ainda como aldeia comunitária. Este regime pressupõe uma partilha e entreajuda de todos os habitantes, nomeadamente nas seguintes formas:
Partilha dos
fornos comunitários;
Partilha de terrenos
agrícolas comunitários, onde todos devem trabalhar;
Partilha de um
rebanho, pastoreado nos terrenos comunitários.
Rio de Onor distingue-se, ainda, por outra característica única: a aldeia é atravessada a meio pela fronteira internacional entre Portugal e Espanha, sendo para efeitos oficiais a parte espanhola distinguida como
Rihonor de Castilla, e sendo ambas as partes conhecidas pelos seus habitantes como "povo de acima" e "povo de abaixo", não se distinguindo assim de facto como dois povoados diferentes, como erradamente se assume em diversas literaturas.
Na verdade, este povoado singular assume, para além de um regime de governo próprio, um dialecto próprio e quase extinto, derivado do Asturo-Leonês, à semelhança da Língua Mirandesa.

Gado atravessando a povoação
Tipicamente trasmontana, a aldeia apresenta casas tradicionais compostas por dois andares: no andar de cima moram as famílias, no andar de baixo ficam o gado, os cereais e outros produtos da terra.


terça-feira, 29 de setembro de 2009

ABENÇOADO VÍRUS...

... que vem ensinar às pessoas a importância de lavar as mãos com frequência - assim não vão comer com elas sujas e, inclusivamente, pegar nos alimentos sem talher ou outra qualquer protecção.


... que vem ensinar às pessoas a colocar um lenço na boca quando espirram ou tossem - assim não o fazem para a cara ou cabeça do próximo, quando viajam nos transportes.


... que vem ensinar às pessoas a não beijar as mãos ou a boca das criancinhas -as mãozinhas metem eles de seguida na boca... Um beijo na boca duma criança é inqualificável (...quanto a mim...)

... e abençoado vírus se ensinar aos médicos e pessoal hospitalar a não continuarem a entrar nos restaurantes ou cafés, (ou seja lá onde fôr)... , com a bata que usam em serviço. Isto também vi eu!



...Senhores doutores ... é imperdoável!!!...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

CONFÚCIO



Confúcio

Confúcio ensinando, retratado por Wu Daozi, Dinastia Tang
Nascimento
28 de Setembro, 551 a.C.
Morte
479 a.C.
Escola/tradição
Fundador do Confucionismo

Principais interesses

Ética, Filosofia Social
Idéias notáveis
Confucionismo
Influências
Dinastia Zhou

Conhece-se muito pouco da sua vida. Parece que os seus antepassados foram de linhagem nobre, mas o filósofo e moralista viveu pobre, e desde a infância teve de ser mestre de si mesmo. Na sua época, a China estava praticamente dividida em reinos feudais cujos senhores dependiam muito pouco do rei.

Nascimento e juventude

Confúcio, também conhecido como , K'ung Ch'iu, K'ung Chung-ni ou Confucius, nasceu em meados do século VI (551 a.c.), em Tsou, uma pequena cidade no estado de Lu, hoje Shantung. Segundo algumas fontes antigas, teria nascido em 552 a. C. (ou seja, no vigésimo primeiro ano do duque Hsiang). Esse estado é denominado de "terra santa" pelos chineses. Confúcio estava longe de se originar de uma família abastada, embora seja dito que ele tinha ascendência aristocrática. Seu pai, Shu-Liang He, antes magistrado e guerreiro de certa fama, tinha setenta anos quando se casou com a mãe de Confúcio, uma jovem de quinze anos chamada Yen Cheng Tsai, que diziam ser descendente de Po Chi'in, o filho mais velho do Duque de Chou, cujo sobrenome era Chi.
Dos onze filhos, Confúcio era o mais novo. Seu pai morreu quando ele tinha três anos de idade, o que o obrigou a trabalhar desde muito jovem para ajudar no sustento da família. Aos quinze anos, resolveu dedicar suas energias em busca do aprendizado. Em vários estágios de sua vida empregou suas habilidades como pastor, vaqueiro, funcionário e guarda-livros. Aos dezenove anos se casou com uma jovem chamada Chi-Kuan. Apesar de se divorciar alguns anos depois, Confúcio teve um filho, K'ung Li.

Viagens

Confúcio viajou por diversos destes reinos, esteve em íntimo contato com o povo e pregou a necessidade de uma mudança total do sistema de governo por outro que se destinasse a assegurar o bem-estar dos súditos, pondo em prática processos tão simples como a diminuição de contribuições e o abrandamento das penalidades. Embora tentasse ocupar um alto cargo administrativo que lhe permitisse desenvolver as suas ideias na prática, nunca o conseguiu, pois tais ideias eram consideradas muito perigosas pelos governantes. Aquilo que ele não pôde fazer pessoalmente acabaram fazendo-o alguns dos seus discípulos, que, graças à boa preparação por ele ministrada, se guindaram, dia após dia, aos cargos mais elevados. Já idoso, retirou-se para a sua terra natal, onde morreu com 72 anos.

Confúcio é biograficamente, segundo o historiador chinês Sima Qian (século II a.C.), uma representação típica do herói chinês. Ele era alto, forte, enxergava longe, tinha uma barriga cheia de Chi, usava longa barba, símbolo de sabedoria, mas se vestia bem e era simples. Era também de um comportamento exemplar, demonstrando sua doutrina nos seus atos. Pescava com anzol, dando opção aos peixes, e caçava com um arco pequeno, para que os animais pudessem fugir. Comia sem falar, era direto, franco, acreditava ser um representante do céu.

Ideias

Sua ideia de organização da sociedade buscava também recuperar os valores antigos, perdidos pelos homens de sua época. No entanto, em sua busca pelo Tao, ele usava de uma abordagem diferente da noção de desprendimento proposta pelos taoístas. Sua ideia estava embasada num critério mais realístico, onde a prática do comportamento ritual daria uma possibilidade real aos praticantes de sua doutrina de viverem em harmonia.

Apesar das ideias de conformismo que possam ser atribuídas a esse pensamento, elas são errôneas. Confúcio não pregava a aceitação plena de um papel definido para os elementos da sociedade, mas sim que cada um cumprisse com seu dever de forma correta. Já o condicionamento dos hábitos serviria para temperar os espíritos e evitar os excessos. Logo, sua doutrina pregava a criação de uma sociedade capaz, culturalmente instruída e disposta ao bem estar comum. Sua escola foi sistematizada nos seguintes princípios:

Ren, humanidade ( altruísmo);
Li, ou cortesia ritual;
Zhi, conhecimento ou sabedoria moral;
Xin, integridade;
Zhing, fidelidade;
Yi, justiça, retidão, honradez.

Confúcio não procurou uma distinção aprofundada sobre a natureza humana, mas parece ter acreditado sempre no valor da educação para condicioná-la. Sua bibliografia consta de três livros básicos, sendo que os dois últimos são atribuídos aos seus discípulos:
Lun yu (Diálogos, Analectos), no qual se encontra a síntese de sua doutrina.
Dà Xué (大学) (Grande Ensinamento) e
Zhong Yong (Jung Yung), ou a “Doutrina do Meio”.
Após sua morte, Confúcio recebeu o título de "Lorde Propagador da Cultura Sábio Supremo e Grande Realizador" (大成至聖文宣王), nome que se encontra registrado em seu túmulo.

Ver também
Confucionismo


Wikipédia, a enciclopédia livre

terça-feira, 22 de setembro de 2009

CANÇÃO DE OUTONO

Toda a melancolia do Outono
Que ao longe se pressente,
Está nestas folhas ao abandono
E neste amor sempre ausente.

A água cantante das fontes
Entoa um hino de amor,
Há poesia pelos montes,
Há mensagens em cada flor.

Na pálida luz da madrugada
A lua vai de novo adormecer.
Surge o clamor duma alvorada,
E começa um novo dia a nascer.
Outono, tu tens tal magia,
Algo de misterioso e vago
E o passar de cada dia
Tem a quietude de um lago...
LC
Hoje começa o Outono. Apesar de lhe encontrar toda esta beleza, para mim é uma estação triste, assim como o Inverno. Outono é transformação: folhas caídas das árvores que se despem das suas vestes, dias mais calmos, mais amenos, mas também mais pequenos. Prefiro a Primavera, onde tudo ressurge, ressuscita e entoa um hino de alegria! Mas tudo na vida tem o seu tempo... Vamos saborear pois mais um Outono nas nossas vidas!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

ANJOS DE QUATRO PATAS



Na verdade, os animais são algo de bom na vida. Dão-nos tudo sem nada pedir em troca, assim como grandes exemplos a seguir.