domingo, 30 de novembro de 2008

SABER VIVER NÃO CUSTA...

Defendendo as aparências...

****************

O conformado...

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

DESABAFO




A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero.

Victor Hugo


*************
Sinto que o meu grito é um grito no escuro, onde não encontra eco nem resposta. E desespero. É desconfortável sentir esta impotência de não poder fazer nada perante situações que não compreendo, mas que me afectam profundamente. Uma familiar requereu o auxílio da Santa Casa da Misericórdia para internar a mãe num Lar. Depois de algum tempo e de muita insistência, conseguiu uma resposta. Chegou, finalmente a hora de assinar documentos e a mãe deu entrada no Lar no dia 1 de Novembro. Estamos quase no fim do mês e a Santa Casa ainda não assinou a parte que lhe compete. Quer isto dizer que ainda não comparticipou, o que leva a filha a ter de arcar com despesas que estão muito para além das suas posses. Esta situação não é do desconhecimento da senhora assistente social que, pura e simplesmente, se esquiva a atender telefonemas para, pelo menos,explicar o que se passa. Sendo assim, a internada continua sem a garantia de ter medicação assegurada, assim como sem a comparticipação da Santa Casa da Misericórdia na despesa referente ao Lar. Como é óbvio, estou a entrar numa fase de desespero pois, além de não ter conhecimentos que me possam valer na resolução deste assunto, também não sou a Senhora -Doutora- Qualquer-Coisa, nem possuo um nome sonante tal como Vasconcelos e Cunha ou outro qualquer que tenha o poder de abrir portas. Como tal creio que só me resta uma saída: postar-me à entrada da Santa Casa da Misericórdia e só saír de lá depois de obter uma resposta. É assim que estas coisas funcionam cá no nosso país?


domingo, 16 de novembro de 2008

CLAUDE MONET



1840 - 1862
Claude Oscar Monet nasceu em Paris, na França, em 1840. Quando tinha cinco anos a família se mudou para Le Havre, uma cidade portuária na desembocadura do rio Sena.

Tanto os pais como os professores o consideravam um menino indisciplinado. Gostava muito de desenhar e na escola fazia caricaturas dos professores. Aos quinze anos já ganhava algum dinheiro com isso: cobrava 10 francos por cada desenho

Um dia conheceu o pintor Boudin e os dois se tornaram grandes amigos. Boudin viu seus desenhos e o encorajou a pintar. Com Boudin, Monet aprendeu também a
pintar ao ar livre

Entusiasmado com a idéia de ser pintor Monet foi para Paris com o propósito de estudar pintura, matriculando-se na Académie Suisse. Em Paris conheceu Pissaro e Coubert, que também estavam começando a pintar. O serviço militar o obrigou a interromper os estudos. Foi enviado para a Argélia , no norte da África, onde permaneceu por quase um ano, até que uma tia conseguiu o seu desligamento. Porém ela exigiu uma condição: que completasse seus estudos.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

DIA MUNDIAL DA DIABETES


DIABETES
Equilibrar o organismo
OUTRAS CURAS
Por Pedro Choy


A diabetes caracteriza-se pela deficiente produção de insulina, associada a insulino-resistência. A medicina chinesa conhece a doença há três mil anos, designa-a por xiao ke ("desperdiçar a sede") ou por tang niao bing ("urina doce"). Há mais de 150 milhões de diabéticos em todo o Mundo, um número que duplicará até 2025, segundo a Organização Mundial de Saúde. Em Portugal 6,7% da população adulta sofre de diabetes, mas os doentes não diagnosticados serão mais de 700 mil. A doença classifica-se em tipo I e II. Apenas 10% dos daibéticos padecem do tipo I. Esta forma aparece abruptamente, na infância ou na adolescência. Os sintomas passam por : poliúria (excesso de urina), (poliaquiúria) necessidade de urinar muitas vezes, polidípsia (excesso de sede), polifagia (excesso de fome), mal-estar geral, emagrecimento rápido (no tipo I) e ganho de peso (maioria no tipo II), palpitações, impotência sexual, pressão arterial alta e alterações visuais, que podem levar à cegueira, entre outros. O tipo II inicia-se por isulino-resistência. Frequentemente é heriditária e surge, em regra, após os 40 anos. Neste caso o pâncreas produz insulina e o problema está na incapacidade de utilização desta pelo organismo.


A medicina chinesa ajuda os diabéticos há milhares de anos. Mesmo assim, o evoluir da ciência também lhe troxe benefícios, por exemplo: a descoberta de uma nova fórmula, 100% à base de ervas, mais consentânea com o conhecimento actual da doença, descoberta pelo professor Cai Baode (Universidade de Chengdu RPC). Chama-se "tang niao ning kou fu ue" (decocção para atenuar a diabetes) e acabou de ser legalizada em Portugal como suplemento alimentar, sendo disponibilizada em clínicas de medicina chinesa. Claro que as ervas para a diabetes são importantes, mas os benefícios da acupuntura não são menosprezáveis. Em conjunto, os dois métodos ajudam o diabético a estebelezar as glicémias e, por conseguinte, a viver mais e, sobretudo, com qualidade.


terça-feira, 11 de novembro de 2008

BEIJO IMORTAL

" Há imagens que se eternizam. Memórias que se recuperam. Lugares que permanecem mágicos. Sentado num banco de esplanada, o francês Robert Doisneau captou um dos mais belos momentos de sempre. Um jovem casal de apaixonados beija-se no cenário parisiense dos anos cinquenta. Transeuntes caminham. Carros passam. Pensamentos voam. O amor encontra a sua metáfora, materializa-se no toque e permanece intocável no tempo.
A imagem foi pensada pelo conhecido fotógrafo. Ainda assim, parece real. Espontânea. Uma cena roubada, retirada de um filme. Os modelos agem com naturalidade. As pessoas continuam a passar, tentando desviar o olhar do casal enamorado.
Robert Doisneau utiliza deliberadamente técnicas que sugerem uma imagem inocente e simples.Capturada no momento certo. Contudo, é incrível como foi cuidadosamente construída. A máquina posiciona-se. A abertura do diafragma determina pouca profundidade. O longo tempo de exposição e a baixa velocidade concedem o efeito de um fundo desfocado. O resultado é mágico. Porque esse é o valor de uma imagem.
Um retrato da realidade que pode ser a nossa.Identificamo-nos. Porque o casal somos nós. E sonhamos com a possibilidade do acontecimento."

Texto Lara Vaz