sábado, 29 de setembro de 2007

OS TREZE ANOS (Cantilena)



Já tenho treze anos,
que os fiz por Janeiro:
Madrinha, casai-me
com Pedro Gaiteiro.
Já sou mulherzinha,
já trago sombreiro,
já bailo ao domingo
com as mais no terreiro.
Já não sou Anita,
como era primeiro;
sou a Senhora Ana,
que mora no outeiro.
Nos serões já canto,
nas feiras já feiro,
já não me dá beijos
qualquer passageiro.
Quando levo as patas,
e as deito ao ribeiro,
olho tudo à roda,
de cima do outeiro.
E só se não vejo
ninguém pelo arneiro,
me banho co'as patas
Ao pé do salgueiro.
Miro-me nas águas,
rostinho trigueiro,
que mata de amores
a muito vaqueiro.
Miro-me, olhos pretos
e um riso fagueiro,
que diz a cantiga
que são cativeiro.
Em tudo, madrinha,
já por derradeiro
me vejo mui outra
da que era primeiro.
O meu gibão largo,
de arminho e cordeiro,
já o dei à neta
do Brás cabaneiro,dizendo-lhe:
«Toma gibão, domingueiro,
de ilhoses de prata,
de arminho e cordeiro.
A mim já me aperta,
e a ti te é laceiro;
tu brincas co'as outras
e eu danço em terreiro».
Já sou mulherzinha,
já trago sombreiro,
já tenho treze anos,
que os fiz por Janeiro.
Já não sou Anita,
sou a Ana do outeiro;
Madrinha, casai-me
com Pedro Gaiteiro.
Não quero o sargento,
que é muito guerreiro,
de barbas mui feras
e olhar sobranceiro.
O mineiro é velho,
não quero o mineiro:
Mais valem treze anos
que todo o dinheiro.
Tão-pouco me agrado
do pobre moleiro,
que vive na azenha
como um prisioneiro.
Marido pretendo
de humor galhofeiro,
que viva por festas,
que brilhe em terreiro.
Que em ele assomando
co'o tamborileiro,
logo se alvorote
o lugar inteiro.
Que todos acorram
por vê-lo primeiro,
e todas perguntem
se ainda é solteiro.
E eu sempre com ele,
romeira e romeiro,
vivendo de bodas,
bailando ao pandeiro.
Ai, vida de gostos!
Ai, céu verdadeiro!
Ai, páscoa florida,
que dura ano inteiro!
Da parte, madrinha,
de Deus vos requeiro:
Casai-me hoje mesmo
com Pedro Gaiteiro.
António Feliciano Castilho

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

MEVLANA


"Mevlana Jalaluddim Rumi nasceu em Balk, Antiga Pérsia e atual Afeganistão, em Setembro de 1207. Seu Pai, Bahauddin Walad, foi um dos maiores eruditos de seu tempo, conhecido como Sultan Ulema, o Sultão dos Sábios e teve influência decisiva na formação de Rumi. Na eminência da invasão mongol, Bahauddim migrou durante alguns anos com sua família. Nessa peregrinação Rumi, em sua infância e adolescência, presenciou o encontro de seu pai com grandes mestres do Sufismo, como Faraddudim Attar, e a disputa de sultões e califas pela presença de seu Pai, todos querendo construir Madrassas (escolas) para acomodar Bahauddin e sua família, e manter em suas cidades esta grande eminência. Mas foi em Konia, na antiga Anatólia e atual Turquia, que Bahauddim e sua família se estabeleceram.Rumi recebeu uma formação clássica em todas as áreas de conhecimento Islâmico como, Gramática, Lei Islâmica, Jurisprudência, Comentário Corânico e as tradições do Profeta, Teologia, Filosofia, Matemática, Astronomia, e foi introduzido ao conhecimento e prática do caminho Sufi. Foi enviado por seu pai às melhores escolas e professores e foi sempre reverenciado pela profundidade e brilhantismo de sua compreensão, e rapidamente foi conquistando reconhecimento e eminência."
Inf.Net
Os sete conselhos de Mevlana
1- Sê como um rio em generosidade e ajuda
2- Sê como o sol em ternura e misericórdia
3- Sê como a noite cobrindo os defeitos dos outros
4- Sê como um morto em cólera e irritabilidade
5- Sê como a terra em humildade e modéstia
6- Sê como o mar em tolerância
7- Sê como tu mesmo

domingo, 2 de setembro de 2007

Chegou a minha vez!