sábado, 29 de dezembro de 2007

PARA OS MEUS AMIGOS


Divirtam-se e sejam felizes, se poderem!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

A WALK IN THE SPRING RAIN - CHUVA NA PRIMAVERA



"Libby.. agora eu sei que não há limite para a minha espera!"


A WALK IN THE SPRING RAIN


Um filme que me marcou pela sua beleza indiscutível. Uma história de amor entre dois seres solitários. Ele, um homem rude do campo, contudo encantador, uma alma romântica e sensível ,com muito amor para dar. Ela, uma mulher duma categoria social diferente, solitária , frustrada no casamento e carente. Interpretado por Ingrid Bergman e Anthony Quinn, é a história de um amor inesperado e maravilhoso. Consegui estas três passagens do filme, que podem ser vistas de cima para baixo . Pena não ter a última cena que é simplesmente maravilhosa:a despedida.
Ela está no carro e ele diz-lhe que a ama. Que não vai morrer e que fica ali á espera dela. Ela responde-lhe: Ainda sonhas, Will... Eu já não consigo...

Quem viu este fime sabe do que estou a falar. Quem não o viu, não perca!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

A BENÇÃO DO SOL

Foto: minha, tirada da minha janela


Hoje o dia nasceu assim, com um sol radioso despontando no horizonte. Talvez ele consiga aquecer as almas dos que mendigam pelas ruas um pouco de pão, carinho e amor. Talvez...

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

PARA TODOS UM BOM NATAL

ZWANI.com - The place for myspace comments, glitters, graphics, backgrounds and codes

Quisera
Senhor, neste Natal
armar uma árvore e nela
pendurar, em vez de bolas, os
nomes de todos os meus amigos.
Os amigos de longe, de perto. Os antigos,
os mais recentes. Os que vejo a cada dia e os
que raramente encontro. Os sempre lembrados e
os que às vezes fica esquccidos. Os constantes e os
itinerantes. Das horas difíceis e os das horas alegres
os que sem querer eu magoei, ou sem querer me magoaram.
Aqueles a quem conheço profundamente e aqueles de quem conheço
apenas a aparência. Os que me devem e aqueles a quem muito devo.
Meus amigos humildes e meus amigos importantes, os nomes de todos os que já
passaram pela minha vida. Uma árvore de raizes muito profundas para que os seus nomes
nunca sejam arrancados do meu coração. De ramos muito extensos para que novos nomes vindos
de todas as partes venham juntar-se aos existentes. Uma árvore de sombras muito
agradáveis para
que a nossa amizade
seja um momento de
repouso nas lutas da vida.
Que o Natal esteja vivo em cada dia do ano que
se inicia para que possamos juntos viver o amor!!!
(desconheço o autor)
Com um abraço fraternal da Leonor


quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

CARTA AO PAI NATAL


Pai Natal
Há muitos anos que não te escrevo e nem sei se ainda te recordas de mim, mas para o caso não interessa. Nessa altura era uma miúda que acreditava em tudo mas olha que essa coisa de "Pai Natal" fazia-me cá uma confusão! Depois de dar muitas voltas á cabeça para ver se encontrava uma explicação para a tua existência, arrumei o assunto assim: o Menino Jesus dava os brinquedos mas era tu que os punhas na chaminé. Eras assim como um ajudante.
Bem mas hoje não venho pedir nada para mim, venho falar-te de coisas que vejo por esta cidade de Lisboa e que me dão voltas ao buxo... Desculpa a expressão.
Por exemplo, vê se metes lá uma cunha a quem de direito para ver se esta cidade se endireita e começa a andar de cara lavada. Há ruas que metem nojo! Só são lavadas com a chuva. Ou sou eu que estou a ver mal? As estações de Metro são outro problema. Por acaso há alguma (pelo menos uma) que tenha elevador de superfície? Parece-me que não... Ou eu vi mal?... Sim, porque as pessoas que não podem mover-se como nós, como chegam cá acima? Estou a referir-me á estação Baixa-Chiado. Não faltarão outras... A passagem pedonal na Praça do Comércio tem elevador? É que passei por lá há tempos e só vi escadas. Ou eu vi mal?... Para que são aqueles "penicos" desculpa-me o termo, prantados nos passeios com umas florinhas? Para enfeitar? E as esferas e meias esferas que existem nalguns passeios? Ah... são para os carros não estacionarem... Para que servem as tabuletas com avisos? Sempre haveria mais espaço para os invisuais passarem sem tropeçar... E caixas-multibanco á altura de gente pequena ou de tetraplégicos em cadeiras de rodas, quando as há? Já viste uma que está na Rua Augusta? Então vê! Até se deram ao luxo de lhe porem três degraus, o que facilita muito os mais idosos, não achas? E a iluminação pública? Olha que eu para conseguir dar com a fechadura da porta é um caso sério! A Câmara ainda não te dinheiro para lâmpadas? Em contrapartida, andou a fazer experiências na minha rua, há uma data de anos. É verdade. Colocaram dois candeeiros de pé, modelos diferentes, para verem qual o que seria mais adequado para o bairro. Ainda lá estão, tristes e apagados! Isto só com um pano encharcado numa coisa que eu agora não digo...
Nas Estações de Metro já não se fuma, embora de vez em quando apareça uma beata perdida, mas enfim... O pior são os jornais que esvoaçam por todos os lados! Isto é uma vergonha! Já há algum tempo ouvi uma turista espanhola dizer: "Lisboa, cidade porca! "No momento fiquei toda ofendida ,porque sempre é a minha cidade e nós defendemos sempre o que é nosso, mas hoje acho que ela tinha razão. Ou estou errada?
Não quero aborrecer-te mas, como és um velho influente, vê se falas lá com os Senhores que governam isto para ver se a coisa se endireita. Olha, se é muito para ti ,pede a ajuda do Menino Jesus! Talvez a esse oiçam!...
Desde já te agradeço tudo o que possas fazer. Depois escreve para o meu e-mail e conta-me como foi, Ok? Então aí vai: nokinhas@gmail.com á tua disposição.
Um beijo da Leonor

PS. Quando tiver uma foto da Caixa Multibanco da Rua Augusta, coloco-a aqui.


quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

O PRESÉPIO


Os primeiros presépios surgiram no século XVI, na Itália.


Data de 1567 o primeiro presépio feito numa casa particular, a da Duquesa de Amalfi, que tinha 116 figuras para representar o nascimento de Jesus, a adoração dos Reis Magos e muitas outras cenas. Até ao século XVIII eram sobretudo as cortes que tinham presépios, feitos por artistas famosos.


No entanto, a celebração do nascimento de Cristo vem dos finais do século III, quando os peregrinos visitavam a gruta em que nasceu, em Belém. Pinturas, relevos e frescos ilustram, desde o século XIV, o nascimento de Jesus. E a primeira réplica da gruta onde teve lugar foi feita em Roma, três séculos mais tarde.


Em 1223 São Francisco de Assis, em vez de festejar a véspera de Natal na Igreja, como era hábito, fê-lo na floresta de Greccio. Mandou transportar para o local uma manjedoura, um boi e um burro, para melhor explicar a cerimónia às pessoas. Por isso é, muitas vezes, visto como o autor do presépio.


Inf.Net

________________

Simbologia do presépio

  • Gruta - imagem do Cosmos
  • Chão da gruta - Terra
  • Abóbada - Céu
  • Vaca - a mãe que nutre. Simboliza no Egipto a fertilidade
  • Burro - Saturno-2º. sol que é a estrela de Israel
  • Pastores - vigilante sempre desperto; sábio cuja acção é fruto de contemplação;é nómada - não tem raízes; simboliza a alma que, não sendo deste mundo, está de passagem.
  • Cordeiro - triunfo; renovação
  • Estrela-aponta o caminho para Jesus; concessão da Igreja e situa-se entre os fenómenos do nascimento de deuses
  • Magos - sábios; astrólogos
  • Belchior representa a raça branca
  • Gaspar representa a raça asiática
  • Baltazar representa a raça negra
  • Ofertas: ouro - como metal prefeito representa o conhecimento; sabedoria e é símbolo de realeza
  • Incenso - eleva a oração ao céu; reconhece Jesus como um deus
  • Mirra - simboliza a imortalidade. Usada também na conservação das múmias. Sofrimento de Jesus para dar a imortalidade aos seus seguidores.
  • Árvore de natal - a árvore sagrada dos celtas era o carvalho e nela penduravam maçãs. É substituído pelo abeto que, pela sua forma triangular, simboliza a Trindade.

Estes elementos foram colhidos numa aula de simbologia e achei interessante dar a conhecer.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

ONE MOMENT IN TIME

"

Música para um bom fim de semana!



(feche a música do blogue)


Each day I live

I want to be a day to give the best of me

I'm only one, but not alone

My finest day is yet unknown

I broke my heart for ev'ry gain

To taste the sweet, I face the pain

I rise and fall, yet through it all this much remains

I want

One moment in time

When I'm more than I thought I could be

When all of my dreams are a heart beat away

And the answers are all up to me

Give me one moment in time

When I'm racing with destiny

Then in that one moment of time

I will feel, I will feel eternity

I lived to be the very best

I want it all, no time for less

I've laid the plans

Now lay the chance here in my hands

Give me

chorus

You're a winner for a lifetime

If you seize that one moment in time

Make it shine

Give me

chorus

i will be, i will be free

sábado, 1 de dezembro de 2007

UM POETA POR SEMANA


Esta é a Cidade


Esta é a Cidade, e é bela.
Pela ocular da janela
foco o sémen da rua.
Um formigueiro se agita,
se esgueira, freme, crepita,
ziguezagueia e flutua.

Freme como a sede bebe
numa avidez de garganta,
como um cavalo se espanta
ou como um ventre concebe.

Treme e freme,
freme e treme,
friorento voo de libélula
sobre o charco imundo e estreme.
Barco de incógnito leme
cada homem, cada célula.
É como um tecido orgânico
que não seca nem coagula,
que a si mesmo se estimula
e vai, num medido pânico.

Aperfeiçoo a focagem.
Olho imagem por imagem
numa comoção crescente.
Enchem-se-me os olhos de água.
Tanto sonho! Tanta mágoa!
Tanta coisa! Tanta gente!
São automóveis, lambretas,
motos, vespas, bicicletas,
carros, carrinhos, carretas,
e gente, sempre mais gente,
gente, gente, gente, gente,
num tumulto permanente
que não cansa nem descança,
um rio que no mar se lança
em caudalosa corrente.

Tanto sonho! Tanta esperança!
Tanta mágoa! Tanta gente!




António Gedeão

**********

"Poeta, professor e historiador da ciência portuguesa. António Gedeão, pseudónimo de Rómulo de Carvalho, concluiu, no Porto, o curso de Ciências Físico-Químicas, exercendo depois a actividade de docente. Teve um papel importante na divulgação de temas científicos, colaborando em revistas da especialidade e organizando obras no campo da história das ciências e das instituições, como A Actividade Pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos Séculos XVIII e XIX. Publicou ainda outros estudos, como História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1959), O Sentido Científico em Bocage (1965) e Relações entre Portugal e a Rússia no Século XVIII (1979). Revelou-se como poeta apenas em 1956, com a obra Movimento Perpétuo. A esta viriam juntar-se outras obras, como Teatro do Mundo (1958), Máquina de Fogo (1961), Poema para Galileu (1964), Linhas de Força (1967) e ainda Poemas Póstumos (1983) e Novos Poemas Póstumos (1990). Na sua poesia, reunida também em Poesias Completas (1964), as fontes de inspiração são heterogéneas e equilibradas de modo original pelo homem que, com um rigor científico, nos comunica o sofrimento alheio, ou a constatação da solidão humana, muitas vezes com surpreendente ironia. Alguns dos seus textos poéticos foram aproveitados para músicas de intervenção. Em 1963 publicou a peça de teatro RTX 78/24 (1963) e dez anos depois a sua primeira obra de ficção, A Poltrona e Outras Novelas (1973). Na data do seu nonagésimo aniversário, António Gedeão foi alvo de uma homenagem nacional, tendo sido condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'iago de Espada.".

terça-feira, 27 de novembro de 2007

NATAL...


Antigamente,
Quando a vida me sorria,
No tempo em que brincava,
E alegremente
Corria
E saltava…
Nesse tempo em que solteiro de ilusões
Acreditava
Nas fadas
E nos Papões…
Enfim,
Antigamente,
A vida para mim
Era bem diferente! …
O Meu Jesus
Trazia-me sempre um presente…
Um lindo brinquedo
Que eu pedia
Muito em segredo! ……
E recebia-o contente ! …

Como outrora,
Eu quisera
Agora –-
Doce quimera –-
De novo encontrar
Não um brinquedo lindo
Que me pudesse encantar…
Mas, um pouco de beleza
E um pouco de alegria
Que viessem aliviar
Esta funda tristeza …

A minha melancolia …
E de manhã de manhãzinha,
Devagar, pé-ante-pé,
Eu corri à chaminé! …
E o meu sapato,
Nessa manhã ainda escura,
Nessa manhã de frio
E esmaecida,
Lá estava, nu , vazio,
Como anda vazia a nua
De venturaA minha vida ! …

E a minha alma sismadora,
E triste,
Triste e sonhadora,
Acalentou essa esperança
Dos meus tempos de criança,
Dos meus tempos de bebé;
Ir encontrar a ventura
Num sapato, à chaminé!!!...



JOSÉ MARIA LOPES DE ARAÚJO
*************
Relembrando a minha felicidade que se resumia ao conteúdo do sapato na chaminé...

terça-feira, 20 de novembro de 2007

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

*****


E de súbito desaba o silêncio.
É um silêncio sem ti,
Sem álamos,
sem luas.
Só nas minhas mãos
oiço a música das tuas.

Eugénio de Andrade

terça-feira, 13 de novembro de 2007

UM POETA POR SEMANA

É varina, usa chinela,
tem movimentos de gata;
na canastra, a caravela,
no coração, a fragata.
Em vez de corvos no chaile,
gaivotas vêm pousar.
Quando o vento a leva ao baile,
baila no baile com o mar.
É de conchas o vestido,
tem algas na cabeleira,
e nas velas o latido
do motor duma traineira.
Vende sonho e maresia,
tempestades apregoa.
Seu nome próprio: Maria;
seu apelido: Lisboa.




David Mourão Ferreira

Fado escrito pelo poeta expressamente para Amália Rodrigues

***********

Escritor e professor universitário português, natural de Lisboa. Licenciou-se em Filologia Românica em 1951. Foi professor do ensino técnico e do ensino liceal e, em 1957, iniciou a sua carreira de professor universitário na Faculdade de Letras de Lisboa. Afastado desta actividade entre 1963 e 1970, por motivos políticos, foi professor catedrático convidado da mesma instituição a partir de 1990. Entretanto, mantivera nos anos 60 programas culturais de rádio e televisão. Em 1963 foi eleito secretário-geral da Sociedade Portuguesa de Autores e, já nos anos 80, presidente da Associação Portuguesa de Escritores. Logo após o 25 de Abril de 1974, foi director do jornal A Capital. Secretário de Estado da Cultura em vários governos entre 1976 e 1978, foi também director-adjunto do jornal O Dia entre 1975 e 1976. Responsável pelo Serviço de Bibliotecas Itinerantes e Fixas da Fundação Calouste Gulbenkian a partir de 1981, dirigiu, desde 1984, a revista Colóquio/Letras, da mesma instituição. A sua carreira literária teve início em 1945, com a publicação de alguns poemas na revista Seara Nova. Três anos mais tarde, ingressou no Teatro-Estúdio do Salitre e no Teatro da Rua da Fé. Publicou as peças Isolda (1948), Contrabando (1950) e O Irmão (1965). Em 1950, foi um dos co-fundadores da revista literária Távola Redonda, que se assumiu como veículo de uma alternativa à literatura empenhada, de realismo social, que então dominava o panorama cultural português, defendendo uma arte autónoma. Em 1950, publicou o seu primeiro volume de poesia — Secreta Viagem. David Mourão-Ferreira colaborou ainda nas revistas Graal (1956-1957) e Vértice e em vários jornais, como o Diário Popular e O Primeiro de Janeiro. Foi poeta, romancista, crítico e ensaísta. A sua poesia caracteriza-se pelas presenças constantes da figura da mulher e do amor, e pela busca deste como forma de conhecimento, sendo considerado como um dos poetas do erotismo na literatura portuguesa. A vivência do tempo e da memória são também constantes na sua obra, marcada, a nível do estilo, por uma demanda permanente de equilíbrio, de que resulta uma escrita tensa, e pela contenção da força lírica e sensível do poeta numa linguagem rigorosa, trabalhada, de grande riqueza rítmica, melódica e imagística, que fazem dele um clássico da modernidade. Entre os seus livros de poesia encontram-se Tempestade de Verão (1954, Prémio Delfim Guimarães), Os Quatro Cantos do Tempo (1958), In Memoriam Memoriae (1962), Infinito Pessoal ou A Arte de Amar (1962), Do Tempo ao Coração (1966), A Arte de Amar (1967, reunião de obras anteriores), Lira de Bolso (1969), Cancioneiro de Natal (1971, Prémio Nacional de Poesia), Matura Idade (1973), Sonetos do Cativo (1974), As Lições do Fogo (1976), Obra Poética (1980, inclui as obras À Guitarra e À Viola e Órfico Ofício), Os Ramos e os Remos (1985), Obra Poética, 1948-1988 (1988) e Música de Cama (1994, antologia erótica com um livro inédito). Ensaísta notável, escreveu Vinte Poetas Contemporâneos (1960), Motim Literário (1962), Hospital das Letras (1966), Discurso Directo (1969), Tópicos de Crítica e de História Literária (1969), Sobre Viventes (1976), Presença da «Presença» (1977), Lâmpadas no Escuro (1979), O Essencial Sobre Vitorino Nemésio (1987), Nos Passos de Pessoa (1988, Prémio Jacinto do Prado Coelho), Marguerite Yourcenar: Retrato de Uma Voz (1988), Sob o Mesmo Tecto: Estudos Sobre Autores de Língua Portuguesa (1989), Tópicos Recuperados (1992), Jogo de Espelhos (1993) e Magia, Palavra, Corpo: Perspectiva da Cultura de Língua Portuguesa (1989). Na ficção narrativa, estreou-se em 1959 com as novelas de Gaivotas em Terra (Prémio Ricardo Malheiros), os contos de Os Amantes (1968), e ainda As Quatro Estações (1980, Prémio da Crítica da Associação Internacional dos Críticos Literários), Um Amor Feliz, romance que o consagrou como ficcionista em 1986 e que lhe valeu vários prémios, entre os quais o Grande Prémio de Romance da APE e o Prémio de Narrativa do Pen Clube Português, e Duas Histórias de Lisboa (1987). Deixou ainda traduções e uma gravação discográfica de poemas seus intitulada «Um Monumento de Palavras» (1996). Alguns dos seus textos foram adaptados à televisão e ao cinema, como, por exemplo, Aos Costumes Disse Nada, em que se baseou José Fonseca e Costa para filmar, em 1983, «Sem Sombra de Pecado». David Mourão-Ferreira foi ainda autor de poemas para fados, muitos deles celebrizados por Amália Rodrigues, tal como «Madrugada de Alfama». Recebeu, em 1996, o Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

SEM LEGENDA

Eu aprendi...
... que ter uma criança adormecida nos braços é um dos momentos mais pacíficos do mundo.

{WILLIAM SHAKESPEARE}

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

COMO É POR DENTRO OUTRA PESSOA


Como é por dentro outra pessoa

Quem é que o saberá sonhar?

A alma de outrem é outro universo

Com que não há comunicação possível,

Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma

Senão da nossa;

As dos outros são olhares,

São gestos, são palavras,

Com a suposição de qualquer semelhança

No fundo.






Fernando Pessoa, 1934

sábado, 20 de outubro de 2007

QUANDO SE FALA DE AMIZADE.

Ai amiga! Falar de amizade,
Nem sempre é bem contido
Porque para além da verdade,
Há o que esconde o sentido…

Poucos sabem como definir
Um sentimento tão belo
Amizade está no sol a sorrir
Está na lua, no que é singelo…

Ter um amigo, é uma riqueza
Que é necessário bem guardar
Respeitando a pureza
Porque amizade é como amar…

Amor de amigo, é o maior do mundo
Tem todos os encantos das flores
Afaga o nosso suspiro profundo
E seca nossas lágrimas de dores…

Mas quem sou eu afinal
Para falar de amigos?
Alguns já me fizeram mal…
Foram verdadeiros perigos….

Não seriam bem amigos,
Talvez gente interesseira,
Mas deram-me muitos castigos
De que sofro a vida inteira…

Mas Amizade é uma beleza
E saúdo-a na sua verdade
Porque ainda há pureza
Nos que nos deixam saudade….


Mil beijos da amiga
Isabel do Carmo

sábado, 13 de outubro de 2007

BOM FIM DE SEMANA


"Mal nos conhecemos
Inaugurámos a palavra amigo.
Amigo é um sorriso
De boca em boca,
Um olhar bem limpo,
Uma casa, mesmo modesta, que se oferece,
Um coração pronto a pulsar
Na nossa mão!
Amigo (recordam-se, vocês aí, Escrupulosos detritos?)
Amigo é o contrário de inimigo!
Amigo é o erro corrigido,
Não o erro perseguido, explorado,
É a verdade partilhada, praticada.
Amigo é a solidão derrotada!
Amigo é uma grande tarefa,
Um trabalho sem fim,
Um espaço útil, um tempo fértil,
Amigo vai ser, é já uma grande festa! "

Alexandre O'Neill.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

A VIDA SEGUE LÁ FORA


Quando tu apareceste, eu estava esquecida
nos perdidos e achados da vida
mas sentia-me bem com a cabeca arrumada
não sentia falta de nada
Avisei-te à partida que haver algo entre nós
era melhor ter cuidado
queria viver o presente
queria esquecer o passado
Portanto nao me acuses da dor
que dizes sentir agora
deixa-me só no meu canto a vida segue la fora
Quando tu apareceste, eu estava a sair
dos perdidos e achados da dor
eu sentia-me bem com o corpo a descansar
dos altos e baixos do amor
Avisei-te à partida que um caso entre nós
era sempre perigoso
o meu passado recente, tinha sido doloroso
Portanto, nao me acuses da dor que dizes sentir agora
deixa-me só no meu canto
a vida segue la fora
Lucia Moniz

domingo, 7 de outubro de 2007

ABRE-ME A PORTA



Abre-me a porta, quero entrar e ver,
De novo, o canto onde eu nasci, há tanto;
No teu regaço, Mãe, adormecer
Num sono repousante, puro e santo!
Abre-me a porta; quero percorrer
O lar onde brinquei, e, canto a canto,
Buscar o bem melhor do meu viver
Que se ficou na infância, toda encanto!
Continuarei assim pela vida fora,
A reviver, saudoso, a toda a hora,
O tempo duma vida descuidada...
Hoje, tudo é saudade e até tristeza...
Tudo se envolve em trágica incerteza...
É tudo vão e pó! É tudo nada!...
************* *************
Fui ver Alfama. Fui ver a casa onde nasci às 7 horas duma manhã de Agosto, ao som do pregão da fava-rica, segundo me dizia minha Mãe. Cheguei a este mundo no último andar do prédio cor-de-rosa, no quarto da direita. Aí soltei o meu primeiro grito, enchendo os pulmões com o ar de Alfama! Da "minha" Alfama! Que é feito dela? Que saudades... Se alguém a conheceu antes e agora passar por lá, vai entender-me.
Encontrei na net estes versos que me tocaram de modo muito especial e que achei ideais para explimir aquilo que me vai na alma:
"Abre-me a porta" - José Lopes de Araújo

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

AO PÔR-DO-SOL


Com o pôr-do-sol morrem os meus sonhos,

Cansados de tão longa espera

E as lágrimas deslizam pelo meu rosto.

Quem dera que meu pranto levasse a minha mágoa

E o desencanto de te ver só no meu horizonte.

A esperança é uma flor que murchou

E cujas pétalas desfolhei entre meus dedos.

Nada me resta a não ser a cumplicidade

Que existe entre mim e o pôr-do-sol.

Leonor C.

sábado, 29 de setembro de 2007

OS TREZE ANOS (Cantilena)



Já tenho treze anos,
que os fiz por Janeiro:
Madrinha, casai-me
com Pedro Gaiteiro.
Já sou mulherzinha,
já trago sombreiro,
já bailo ao domingo
com as mais no terreiro.
Já não sou Anita,
como era primeiro;
sou a Senhora Ana,
que mora no outeiro.
Nos serões já canto,
nas feiras já feiro,
já não me dá beijos
qualquer passageiro.
Quando levo as patas,
e as deito ao ribeiro,
olho tudo à roda,
de cima do outeiro.
E só se não vejo
ninguém pelo arneiro,
me banho co'as patas
Ao pé do salgueiro.
Miro-me nas águas,
rostinho trigueiro,
que mata de amores
a muito vaqueiro.
Miro-me, olhos pretos
e um riso fagueiro,
que diz a cantiga
que são cativeiro.
Em tudo, madrinha,
já por derradeiro
me vejo mui outra
da que era primeiro.
O meu gibão largo,
de arminho e cordeiro,
já o dei à neta
do Brás cabaneiro,dizendo-lhe:
«Toma gibão, domingueiro,
de ilhoses de prata,
de arminho e cordeiro.
A mim já me aperta,
e a ti te é laceiro;
tu brincas co'as outras
e eu danço em terreiro».
Já sou mulherzinha,
já trago sombreiro,
já tenho treze anos,
que os fiz por Janeiro.
Já não sou Anita,
sou a Ana do outeiro;
Madrinha, casai-me
com Pedro Gaiteiro.
Não quero o sargento,
que é muito guerreiro,
de barbas mui feras
e olhar sobranceiro.
O mineiro é velho,
não quero o mineiro:
Mais valem treze anos
que todo o dinheiro.
Tão-pouco me agrado
do pobre moleiro,
que vive na azenha
como um prisioneiro.
Marido pretendo
de humor galhofeiro,
que viva por festas,
que brilhe em terreiro.
Que em ele assomando
co'o tamborileiro,
logo se alvorote
o lugar inteiro.
Que todos acorram
por vê-lo primeiro,
e todas perguntem
se ainda é solteiro.
E eu sempre com ele,
romeira e romeiro,
vivendo de bodas,
bailando ao pandeiro.
Ai, vida de gostos!
Ai, céu verdadeiro!
Ai, páscoa florida,
que dura ano inteiro!
Da parte, madrinha,
de Deus vos requeiro:
Casai-me hoje mesmo
com Pedro Gaiteiro.
António Feliciano Castilho

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

MEVLANA


"Mevlana Jalaluddim Rumi nasceu em Balk, Antiga Pérsia e atual Afeganistão, em Setembro de 1207. Seu Pai, Bahauddin Walad, foi um dos maiores eruditos de seu tempo, conhecido como Sultan Ulema, o Sultão dos Sábios e teve influência decisiva na formação de Rumi. Na eminência da invasão mongol, Bahauddim migrou durante alguns anos com sua família. Nessa peregrinação Rumi, em sua infância e adolescência, presenciou o encontro de seu pai com grandes mestres do Sufismo, como Faraddudim Attar, e a disputa de sultões e califas pela presença de seu Pai, todos querendo construir Madrassas (escolas) para acomodar Bahauddin e sua família, e manter em suas cidades esta grande eminência. Mas foi em Konia, na antiga Anatólia e atual Turquia, que Bahauddim e sua família se estabeleceram.Rumi recebeu uma formação clássica em todas as áreas de conhecimento Islâmico como, Gramática, Lei Islâmica, Jurisprudência, Comentário Corânico e as tradições do Profeta, Teologia, Filosofia, Matemática, Astronomia, e foi introduzido ao conhecimento e prática do caminho Sufi. Foi enviado por seu pai às melhores escolas e professores e foi sempre reverenciado pela profundidade e brilhantismo de sua compreensão, e rapidamente foi conquistando reconhecimento e eminência."
Inf.Net
Os sete conselhos de Mevlana
1- Sê como um rio em generosidade e ajuda
2- Sê como o sol em ternura e misericórdia
3- Sê como a noite cobrindo os defeitos dos outros
4- Sê como um morto em cólera e irritabilidade
5- Sê como a terra em humildade e modéstia
6- Sê como o mar em tolerância
7- Sê como tu mesmo

domingo, 2 de setembro de 2007

Chegou a minha vez!

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

ESPERO-TE




Não sei quem és.

Não sei como és.

Nunca te vi.

Nunca ouvi tua voz.

Nunca toquei tua mão,

Mas sei que estás aí.

Espero-te.

Sonho-te.

Quando vieres

Traz-me o teu sorriso,

O teu carinho

E uma flor.


quarta-feira, 22 de agosto de 2007

PARABÉNS!

PARABÉNS!

Vou seguir o conselho...


domingo, 19 de agosto de 2007

TABACARIA




Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por humidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.

Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.

Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei de pensar?

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Gênio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
Não, nem em mim...
Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.

Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
Ainda que não more nela;
Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,
E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
Crer em mim? Não, nem em nada.
Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
O seu sol, a sua chava, o vento que me acha o cabelo,
E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
Escravos cardíacos das estrelas,
Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordamos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,
Saímos de casa e ele é a terra inteira,
Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.

(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come! Pudesse eu comer chocolates
com a mesma verdade com que
comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel
de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como
tenho deitado a vida.)

Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
A caligrafia rápida destes versos,
Pórtico partido para o Impossível.
Mas ao menos consagro a mim
mesmo um desprezo sem lágrimas,
Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
A roupa suja que sou, em rol, pra o decurso das coisas,
E fico em casa sem camisa.

(Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
Ou não sei quê moderno - não concebo bem o quê -
Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
Meu coração é um balde despejado.
Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
A mim mesmo e não encontro nada.
Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)

Vivi, estudei, amei e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente

Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.

Essência musical dos meus versos inúteis,
Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
Como um tapete em que um bêbado tropeça
Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.

Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o deconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo
de coisas como tabuletas

Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.

Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.

Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.

Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.
(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela
O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves! , e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu.

15-1-1928 - Álvaro de Campos

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

SI NON AVESSI PIU TE


Gianni Morandi foi um dos ídolos da minha juventude. Sempre gostei do tom da sua voz e do sentimento que põe nas suas interpretações. Já pouco de ouve. Vamos recordá-lo agora.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

NÃO SEI

Aguarela de Marcel Reynaert

Não sei se a vida é curta
ou longa demais para nós.
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido,
Se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa
de outro mundo.
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais.
Mas que seja intensa,
verdadeira e pura
Enquanto durar.
“Feliz aquele que transfere
o que sabe ...
... e aprende o que ensina.”
************************
E-mail recebido de um amigo e lindo demais para não ser divulgado. Bem-haja!

domingo, 12 de agosto de 2007

DUAS LUAS

Duas Luas no dia 27 de Agosto.

Todo o Mundo está à espera.

O Planeta Marte será o mais brilhante no início da noite.

Parecerá tão grande quanto a Lua cheia.

Isto acontecerá no dia 27 de Agosto quando o planeta Marte ficar a 34.65M milhas da Terra.

Ver o céu no dia 27 de Agosto, 12.30am.

Parecerá que a Terra tem 2 luas.

A próxima vez que ele ficará tão perto da Terra será em 2287.

Partilhe com os amigos pois NINGUÉM VIVO, HOJE ,voltará a vê-lo.


Informação recebida do amigo
  • O Atónito
  • sexta-feira, 10 de agosto de 2007

    ALMAS PERFUMADAS



    Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta.
    De sol quando acorda.
    De flor quando ri.
    Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda.
    Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça.Lambuzando o queixo de sorvete. Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher. O tempo é outro. E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver. Tem gente que tem cheiro de colo de Deus.
    De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.
    Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis. Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo.
    Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso. Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel. Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra. Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza.
    Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria.
    Recebendo um buquê de carinhos.
    Abraçando um filhote de urso panda.Tocando com os olhos os olhos da paz.
    Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração. Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa.
    Do brinquedo que a gente não largava.
    Do acalanto que o silêncio canta.
    De passeio no jardim.
    Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo. Corre em outras veias.
    Pulsa em outro lugar.
    Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco, juntinho ao nosso lado. E a gente ri grande que nem menino arteiro. Tem gente como você que nem percebe como tem a alma Perfumada!
    E que esse perfume é dom de Deus.



    Carlos Drummond

    sábado, 4 de agosto de 2007

    DIGA-ME COISAS BONITAS





    Venho cansado da estrada
    Trago no peito sofrido
    Um coração machucado
    E tantos sonhos perdidos
    Te encontro no meu caminho
    Como quem acha uma flor
    Te dou sorriso escassos
    Te falo de abraços
    Preciso de amor.

    Diga-me coisas bonitas
    Faça-me crer que na vida
    Ainda existe um amor escondido no peito
    De alguém que me ama
    Diga-me coisas bonitas
    Que há muito tempo eu desejo
    Ouvir da boca que eu beijo
    Palavras de amor cada vez que me chama.

    Diga-me coisas bonitas
    Traga meus sonhos de volta
    Me abraça e nunca me solta
    E diga que eu fique pra sempre contigo
    Diga-me coisas bonitas
    Porque meu peito reclama
    Mas só me diga a verdade
    É cedo demais
    P'ra dizer que me ama.


    Roberto Carlos

    quinta-feira, 2 de agosto de 2007

    RÚSTICA


    Ser a moça mais linda do povoado,
    Pisar, sempre contente o mesmo trilho,
    Ver descer sobre o ninho aconchegado
    A bênção do Senhor em cada filho.

    Um vestido de chita bem lavado,
    Cheirando a alfazema e a tomilho...
    Com o luar matar a sede ao gado,
    Dar às pombas o sol num grão de milho...

    Ser pura como a água da cisterna,
    Ter confiança numa vida eterna
    Quando descer à "terra da verdade"...

    Meu Deus, dai-me esta calma, esta pobreza!
    Dou por elas meu trono de Princesa,
    E todos os meus Reinos de Ansiedade.


    Florbela Espanca

    Para quem vai de férias, umas boas férias!

    Para os restantes, um bom fim de semana!

    sábado, 7 de julho de 2007

    SOMBRA



    Sou a sombra solitária que rasteja
    Na sombra proibida dos teus passos.
    Sou sombra para que ninguém me veja
    E desejo esbater-me nos teus abraços…

    Minha sombra pela tua apaixonada,
    Será mais uma sombra em tua vida.
    Hoje, será a última a ser lembrada,
    Amanhã, a primeira a ser esquecida…

    Não sei se me vês ou me pressentes,
    Nem mesmo sei se existo para ti.
    Espera, detém-te um pouco… Sentes?...
    É o meu perfume, amor, estou aqui!...

    Sou a sombra solitária que rasteja
    Na sombra proibida dos teus passos…
    Leonor C.

    sábado, 30 de junho de 2007

    terça-feira, 26 de junho de 2007

    ANIVERSÁRIO


    Fez ontem dois anos que iniciei este blog, o que para mim foi uma verdadeira aventura pois desconhecia a existência destes espaços. Comecei sem fotos, sem música e sem vídeos. Tudo isso foi aparecendo devido à paciência e amabilidade de alguns amigos virtuais a quem recorri, através de e-mails, e que tudo isso me ensinaram.
    É verdade! Então comecei a tomar o gosto e tenho-me mantido até agora, embora muitas vezes a inspiração não me ajude. A eles o meu obrigada. Agradeço também a todos os que por aqui passam, mesmo aqueles que não deixam sinal.

    Este foi o primeiro texto do Andorinha Negra:

    Sábado, Junho 25, 2005

    À PROCURA DO TEMPO PERDIDO

    Ruas ruidosas, carros disparados em corrida louca, todos como que empenhados na ideia de quem vai chegar primeiro.Pessoas que se cruzam, que se chocam, que se acotovelam, ora agressivas, ora indiferentes, sem darem pela passagem de um rosto conhecido, sem um simples olhar de fraternidade ou compreensão. Expressões fechadas, palavras secas, desagradáveis, sempre prontas a saltar e a ferir. Olhares hostis de olhos que vendo são cegos, porque aliados a corações insensíveis só se debruçam, obsecada e egoisticamente sobre o seu "Eu", sobre o seu mundo interior, limitado pelas suas conveniências, sem tempo para dedicar aos outros.
    Todos os dias o espectáculo degradante dos que se insultam e não respeitam o direito de precedência nas filas dos transportes públicos.

    Aqui, mesmo a nosso lado, está o que poucos vêm: corações que há muito esperam pela palavra mágica que dulcifique e preencha o vácuo de uma vida de solidão; ombros que se vergam sob o peso dos anos; mãos implorantes que se estendem, como aquelas mãos tristes e enrrugadas que recolhem as poucas moedas que os menos indiferentes deixaram nelas caír, sem contudo se deterem.

    Toda a vida pujante dum século febril rodopia e entontece, envolvendo na sua teia os corações e as almas. Uns querem agarrar o tempo, outros procuram o tempo perdido.

    Leonor C.


    Um abraço para todos.

    segunda-feira, 25 de junho de 2007

    DOIS ANOS NA BLOGOESFERA

    Faz hoje dois anos que iniciei este blogue o que para mim foi uma verdadeira aventura.Havia pouco tempo que tinha internet e até um mês antes desconhecia da existência destes espaços. Comecei sem fotos, sem músicas e sem vídeos. Tudo o que aprendi devo-o a amigos virtuais que me ensinaram a compreender e a modificar o template. Depois disso, tomei-lhe o gosto e lá continuei até agora, embora muitas vezes a inspiração não me ajude. O meu agradecimento a todos os que comentam e também a quem passa sem deixar sinal.



    **********



    Este é o texto com que iniciei o blogue Andorinha:



    Sábado, Junho 25, 2005

    À PROCURA DO TEMPO PERDIDO


    Ruas ruidosas, carros disparados em corrida louca, todos como que empenhados na ideia de quem vai chegar primeiro.Pessoas que se cruzam, que se chocam, que se acotovelam, ora agressivas, ora indiferentes, sem darem pela passagem de um rosto conhecido, sem um simples olhar de fraternidade ou compreensão. Expressões fechadas, palavras secas, desagradáveis, sempre prontas a saltar e a ferir. Olhares hostis de olhos que vendo são cegos, porque aliados a corações insensíveis só se debruçam, obsecada e egoisticamente sobre o seu "Eu", sobre o seu mundo interior, limitado pelas suas conveniências, sem tempo para dedicar aos outros.


    Todos os dias o espectáculo degradante dos que se insultam e não respeitam o direito de precedência nas filas dos transportes públicos.


    Aqui, mesmo a nosso lado, está o que poucos vêm: corações que há muito esperam pela palavra mágica que dulcifique e preencha o vácuo de uma vida de solidão; ombros que se vergam sob o peso dos anos; mãos implorantes que se estendem, como aquelas mãos tristes e enrrugadas que recolhem as poucas moedas que os menos indiferentes deixaram nelas caír, sem contudo se deterem.


    Toda a vida pujante dum século febril rodopia e entontece, envolvendo na sua teia os corações e as almas. Uns querem agarrar o tempo, outros procuram o tempo perdido.




    Leonor C.





    O meu abraço para todos.

    sábado, 23 de junho de 2007

    MENSAGEM


    A vida dá-nos muitas lições. Temos muito para aprender, quando nos apercebemos que nem todas as coisas são como nós queremos ou imaginamos. Deixo-vos esta mensagem de Willian Shakespeare e desejo-vos um bom fim de semana.

    terça-feira, 19 de junho de 2007

    PARABÉNS!


    Parabéns, meu querido filho!

    sexta-feira, 15 de junho de 2007

    VIAJAR

    "Viajar! Perder países!
    Ser outro constantemente,
    Por a alma não ter raízes
    De viver de ver somente!

    Não pertencer nem a mim!
    Ir em frente, ir a seguir
    A ausência de ter um fim,
    E a ânsia de o conseguir!

    Viajar assim é viagem.
    Mas faço-o sem ter de meu
    Mais que o sonho da passagem.
    O resto é só terra e céu."



    Fernando Pessoa

    sábado, 9 de junho de 2007

    LIÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO...



    Uma filha queixou-se a seu pai sobre a sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela. Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir. Estavacansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.

    Seu pai, um chefe de cozinha, levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em lume alto. Em uma ele colocou uma cenoura, em outra colocou um ovo e, na última pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra. A filha deu um suspiro e esperou impaciente, imaginando o que ele estaria a fazer.

    Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás; tirou a cenoura e a colocou em uma tigela. Retirou o ovo e o colocou em uma tigela; então tirou o café com uma concha e o colocou em uma tigela. Virando-se para a filha, perguntou:

    - "Querida, o que estás a ver ?"

    - "Cenoura, ovo e café," ela respondeu.

    Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar a cenoura. Ela obedeceu e notou que a cenoura estava macia. Ele, então, pediu-lhe que pegasse o ovo e o quebrasse. Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café. Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.

    - "O que isto significa, pai?"


    Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, a água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente. A cenoura entrara forte, firme e inflexível, mas depois de ter sido submetida à água a ferver, ela amolecera e se tornara frágil. O ovo era frágil - sua casca fina havia protegido o líquido interior, mas depois de ter sido fervidos na água, seu interior se tornara mais rígido.O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora colocado na água a ferver, ele havia mudado a água.

    Ele perguntou à filha:- "Qual deles és tu, minha querida? . Quando a adversidade bate à tua porta, como tu respondes?

    És como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade murcha, torna-se frágil e perde sua força?

    Ou será que és como o ovo, que começa com um coração maleável, mas que depois de alguma perda ou decepção se torna mais duro, apesar de a casca parecer a mesma?

    Ou será que és como o pó de café, capaz de transformar a adversidade em algo melhor mais ainda do que ele próprio?"

    E tu o que és: cenoura, ovo ou café?


    Ilda Oliveira- Histórias para todos

    domingo, 27 de maio de 2007

    PENSAMENTO

    " "Apaixone-se por um sorriso e sorria junto, ilumine as janelinhas dos olhos, atraia beija-flores, borboletas, vaga-lumes, ame a pessoa que o espelho reflete todas as manhãs..."

    terça-feira, 22 de maio de 2007

    TÉDIO


    (clique para ouvir, fechando primeiro a música do blogue)
    J.G.de Araújo Jorge

    ARRISCAR É VIVER


    Rir é arriscar-se a parecer louco.

    Chorar é arriscar-se a parecer sentimental.

    Estender a mão para o outro é arriscar-se a se envolver.

    Expôr seus sentimentos é arriscar-se a expôr seu eu verdadeiro.


    Amar é arriscar-se a não ser amado.

    Expor suas idéias e sonhos ao público é arriscar-se aperder.

    Viver é arriscar-se a morrer...

    Ter esperança é arriscar-se a sofrer decepção.

    Tentar é arriscar-se a falhar.


    Mas...é preciso correr riscos.

    Porque o maior azar da vida é não arriscar nada...

    Pessoas que não arriscam, que nada fazem, nada são.

    Podem estar evitando o sofrimento e a tristeza.


    Mas assim não podem aprender, sentir, crescer, mudar, amar,viver...

    Acorrentadas às suas atitudes, são escravas;

    Abrem mão de sua liberdade.

    Só a pessoa que se arrisca é livre...

    Arriscar-se é perder o pé por algum tempo.

    Não se arriscar é perder a vida...





    "(Soren Kiekegaard)

    sábado, 19 de maio de 2007

    DIA INTERNACIONAL CONTRA A OBESIDADE

    Comemora-se hoje no norte com Tripas à moda do Porto. Ao ser entrevistado, um indivíduo comentou que o menu era bom para fazer peito. Será que o senhor quis dizer outra coisa?...

    sábado, 12 de maio de 2007

    PRECE





    "Senhor dá-me serenidade para aceitar tudo aquilo que não pode e não deve ser mudado. Dá-me força para mudar tudo o que pode e deve ser mudado. Mas, acima de tudo, dá-me sabedoria para distinguir uma coisa da outra."

    segunda-feira, 7 de maio de 2007

    APRENDA MAIS SOBRE OS GATOS


    A maneira como os gatos comunicam é fascinante. Eles não constroem frases para exprimir o afecto, raiva, fome, solidão, alegria e medo nas frequências naturais, inaudíveis para o homem, mas sim, em frequências mais baixas de modo a que os humanos os possam ouvir. Alguns cientistas acreditam que os gatos aprenderam que nós não os conseguimos ouvir nas frequências naturais, e por isso adaptaram-se de modo a comunicarem connosco.
    Os gatos têm um QI que no reino animal só é ultrapassado pelo dos macacos e dos chimpanzés. Apenas um em cada mil gatos cor-de-laranja é fêmea. Os gatos não vêm muito bem ao perto. Qualquer coisa num raio inferior a 15 cm torna-se muito desfocada.
    Após uma refeição, os gatos lavam-se imediatamente. Isto é um instinto que lhes diz para se limparem de modo a que os predadores não sintam o cheiro a comida e os ataquem.
    Quando os gatos afiam as garras, eles deixam um sinal. Têm glândulas nas patas que segregam uma substância, avisando os outros gatos que eles lá estiveram. Estas glândulas existem não só nas patas, mas também na face, pescoço, ombros e cauda.
    A maioria dos gatos com olhos azuis são surdos.
    A Chita é o único felino que não consegue retrair as garras.
    Todos os gatos domésticos detestam limões ou qualquer outro citrino.
    O gato usa a cauda para se equilibrar.
    O gato mais estranho de todos nasceu na Alemanha e tinha 5 pernas, 6 patas e 30 dedos!
    Os gatos adoram cheiros tais como loções ou perfumes. É por isso que se podem ver gatos a cheirar flores.
    Os cães geralmente têm 42 dentes enquanto que os gatos apenas têm 30.
    O mamífero mais rápido em terra é a Chita. O mais rápido de todos foi um macho que atingiu os 148 Km/hora. Os gatos domésticos atingem uma velocidade de 40-50 Km/hora.
    Contrariamente ao que a maioria das pessoas pensa, cortar as unhas aos gatos não significa apenas cortar a unha. Isso envolve a amputação da primeira junta do dedo dos gatos, e é extremamente doloroso. Aproximadamente 50% dos gatos sofrem complicações. Cortar as unhas aos gatos é proibido em muitos países.
    Os gatos têm cinco dedos nas patas da frente e 4 dedos nas patas traseiras.
    A maioria dos gatos vive 14 anos, mas alguns chegam até aos 18 ou 19 e outros ainda chegam aos 30.
    Quando um gato abana a cauda inteira, está zangado. Quando ele abana apenas a ponta da cauda, está contente.
    Na Argentina acredita-se que comer gatos é bom para a saúde e estimula a potência sexual. Os gatos pretos são geralmente mais calmos do que os brancos, que estão sempre muito nervosos.
    Se o teu gato andar a comer as plantas, borrifa-as com sumo de limão. Os gatos detestam o cheiro dos citrinos.
    Os gatos foram domesticados no Antigo Egipto, há mais de 4000 anos atrás.
    A elasticidade dos ossos dos gatos é apenas 1/10 menor do que a da borracha. Se um gato cair de um 10º andar, tem 90% de hipóteses de sobreviver. Se um humano cair da mesma altura, só tem 10% de hipóteses de sobreviver.
    Os gatos não conseguem mover o maxilar para os lados.
    Na Disneyland existem centenas de gatos. Eles não são vistos durante o dia porque há demasiadas pessoas, mas a razão de eles lá estarem é para caçarem os ratos.
    Os gatinhos bebés não conseguem ir à casa de banho sozinhos. A progenitora estimula-os com a língua nos genitais logo após as refeições.
    Os gatos vêm bem no escuro porque os seus olhos reflectem a luz. A luz entra nos olhos e é reflectida para fora; funcionam mais ou menos como dois faróis.
    Os gatos vêm ter com as pessoas e roçam-se a elas para as marcar como seu território. Eles têm glândulas que segregam uma substância química que os distingue dos outros gatos.
    A Peste Negra na Europa ocorreu porque na altura as pessoas acreditavam que quem tivesse um gato era uma bruxa. Logo, todos os gatos foram queimados, deixando os ratos (com as suas doenças) circular livremente e multiplicar-se.
    Quando uma gata fêmea é trazida para uma casa onde já existe um gato macho, ele irá tentar acasalar com ela. Quando a fêmea recusa, o macho fica deprimido e recusa-se a comer até que a fêmea se vá embora da casa.
    O gato usa 32 músculos para controlar as orelhas. A salvação de um animal mais desastrosa de sempre aconteceu em Londres quando uma senhora idosa chamou os bombeiros para tirarem um gato de cima de uma árvore. Eles retiraram o gato são e salvo, mas atropelaram-no quando se iam embora para o quartel.
    Os antigos Egípcios adoravam os gatos como se fossem deuses. Qualquer dono de um gato pode confirmar que eles não se esqueceram disso. Há mais gatos em Londres do que pessoas na Noruega. Estudos provaram que se um gato cair de um 7º andar, tem menos 30% de hipóteses de sobreviver do que se cair de um 12º andar. Geralmente demora uns oito andares para o gato se aperceber do que está a acontecer, para se relaxar e corrigir a sua posição.
    A urina do gato brilha com luz ultravioleta. A maioria dos gatos sentem-se atraídos pelo mentol (pastilhas, pasta de dentes, etc...). Os gatos gostam de dormir com as costas encostadas a algo. Eles fazem isto para evitar que apareça alguém por detrás deles.
    Um certa nota de música consegue excitar sexualmente os gatos. A mesma nota estimula os gatinhos bebés a irem à casa de banho. Os gatos sentem-se mais atraídos pelas pessoas que lhes dão menos atenção. Eles sentem-se menos ameaçados quando não há contacto visual. O gato mais velho viveu no Texas. Morreu aos 34 anos. Os gatos dormem entre 16 e 18 horas por dia. Os gatos enterram as fezes para esconderem o seu rasto dos predadores. O maior felino que existe é o tigre da Sibéria, o Panthera tigris altaica, pode chegar a medir mais de 3 metros com o rabo esticado.
    Os gatos conseguem ouvir as suas presas rodando as orelhas independentemente uma da outra. No Antigo Egipto eram feitas múmias de gatos, e eram colocados nos seus túmulos ratinhos embalsamados. Numa cidade antiga foram encontradas 300.000 múmias de gatos. No Antigo Egipto, matar um gato era um crime punido com a morte.
    Gato em 5 línguas: Chinês - Mao; Francês - Chat; Cigano - Muca; Japonês - Neko; Romeno - Pisica.
    Muitos marinheiros acreditam que um gato a bordo significa uma viagem tranquila. Os gatos não conseguem ver na escuridão completa.
    Elaborado por Armindo Mirassol (net)

    sexta-feira, 4 de maio de 2007

    QUIETUDE

    Sentei-me á beira do lago, deixei que o sol me acariciasse o rosto. Depois fechei os olhos e fiquei a ouvir os sons da natureza. Nada melhor do que esta sensação de deixar o tempo passar...

    domingo, 29 de abril de 2007

    sábado, 21 de abril de 2007

    A POESIA COMO EXPRESSÃO SENTIMENTAL NA 3ª. IDADE (II)

    "...Anda à procura de trabalho, de amizade, de amor... chama-se, a si próprio, eterno caminhante.

    Quando chega a casa, já cansado, traduz, em poesia, o que lá fora o faz vibrar. Um certo dia, sente-se atraído por uma jovem, passa diariamente pela sua rua, quer que ela o note. Mas... o destino continuava a ser-lhe adverso.
    E diz-me: essa rapariga foi, na minha vida,

    DOCE VISÃO

    Das rosas tinha a graça e a frescura,
    Nos lábios um sorrir de terna irmã,
    Quando à janela a vi certa manhã,
    Numa visão de amor e de ternura.

    Não mais pude esquecê-la, nem deixar,
    De a contemplar um dia só que fôsse,
    P'ra ver no seu olhar gentil e doce,
    A doce conjugação do verbo amar.

    Mas ai! Ao vê-la um dia manhãnzinha,
    Eu reparei que a pobra era ceguinha,
    Ao passar-lhe mui perto da janela;

    Desde então consagrei-lhe um puro amor,
    Que desse ao seu olhar a vida e a cor,
    Se um dia eu fosse a luz dos olhos dela.

    O culto da natureza também lhe é familiar - ou não tivesse alma de poeta! As flores, o cantar dos pássaros... inspira-no. De entre as poesias que sobre esse tema nos deixou, escolhi a que nos trz uma mensagem,

    A FLOR BEIJADA

    Das prisões, certo dia um Director,
    Olhava entre repulsa e admiração,
    Um preso a oscular mimosa flor,
    Que apanhara de sobre o sujo chão.

    Chamou-o e o recluso lestamente
    Acorreu à chamada e perguntou:
    - Chamou-me V.Exª. certamente?
    - Chamei porque o teu gesto me enojou.

    - Senhor! Não condeneis o gesto meu,
    Por apanhar a flor e a beijar,
    Foi Deus que a perfumou e no-la deu,
    E agora os pés do Mundo a iam pisar.

    Como esta flor há tanta alma caída
    De seres que o Mundo pisa com desdém,
    Se alguém os levantasse e desse vida,
    Seriam como vós, homens de bem.

    Calou-se o preso a lhar o Director,
    Que lhe diz comovido, em frases calmas:
    - Dizes bem; se na vida houvesse amor,
    Havia a redenção da flor das almas.

    ...E que mais vos poderei dizer sobre um valor cultural da 3ª. Idade, do nosso espaço físico - que só por acaso conheci?

    A recolha das suas poesias constitue um dos primeiros trabalhos do património da Universidade Internacional para a Terceira Idade - que estamos promovendo."