terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Aloé Vera: Inúmeras Propriedades Medicinais




Categorias: Aromáticas & Medicinais, Featured
Tags: ,

No processo de escolha da planta do mês sinto por vezes que muita coisa fica por dizer acerca da maioria das plantas e decididamente algumas mais que outras. É este o caso do Aloes sobre o qual há tanta coisa para dizer. Tentarei portanto apelar à minha capacidade de síntese.

História

O Aloe é uma planta suculenta originária da África do Sul, da Província do Cabo, da África Tropical e de Madagáscar onde algumas espécies correm sérios riscos de extinção. Existe ainda na Península Arábica, e Antilhas mas é hoje plantado um pouco por todo o mundo, onde é muito apreciado e utilizado devido aos seus múltiplos usos internos e externos. Quando cultivado em climas temperados, é necessário protegê-lo da geada. Dá-se muito bem em vasos, como planta de interior. Existem cerca de 400 variedades de Aloes, uma das variedades era já conhecida nos tempos bíblicos onde era utilizada na extracção de madeira. Na Malásia e Índia é utilizada uma outra variedade no fabrico de incenso. Nos países islâmicos simboliza a paciência. Era conhecida dos Gregos e Romanos e diz-se que Cleopatra utilizava as folhas frescas diariamente nos seus tratamentos de beleza. A variedade que aqui nos interessa é Aloe vera ou Aloe barbadensis. O Aloes do Cabo, ou Aloe ferox, é muito cultivado nas Antilhas. No Brasil é conhecida por babosa. O Aloes envasado tem um teor mais baixo de antraquinonas (aloína).

Descrição botânica

O Aloe vera é uma das cerca de 400 variedades do Aloe. Foi durante muito tempo considerada da família das Liliáceas, mas estudos recentes classificam-na como pertencente à famílias das Asphodeláceas. É uma planta vivaz, de folhas suculentas, longas e espessas, de cor verde claro. Atinge cerca de 60 centímetros de altura, espigão com flores amarelas ou laranja. Resistente às secas e sensível às geadas. Gosta de solos secos e bem drenados. É também conhecida como Cacto-dos-Aflitos e Cura-Câncros.

Composição

Traquinona (aloína e aloe-emodina), mucilagem, resinas, taninos, polisacáridos, aloectina-B, cálcio, fósforo, cobre, magnésio, ferro, potássio, zinco, vitaminas A, B1, B5, B6 e B12, C. Ácidos gordos (gamalinoleicos), prostanglandinos que ajudam a diminuir a inflamação e aumentam o poder cicatrizante das feridas.

Propriedades

Externamente é utilizado fresco e directamente sobre a pele no alívio de queimaduras solares e outras, incluindo queimaduras de radiação devido à sua acção refrescante, anti-inflamatória e regeneradora do tecido celular restituindo rapidamente os líquidos nas três camadas dérmicas, aliviando a dor e nutrindo a pele devido à sua riqueza em aminoácidos e vitaminas. Utiliza-se ainda em picadas de insectos e feridas várias, como cicatrizante, anti-bacteriano e antiviral. De um modo geral alivia quase todos os problemas de pele que requeiram um remédio calmante e adstringente, como por exemplo em casos de varizes. É um excelente regenerador celular acelerando o crescimento de novas células eliminando as velhas, por isso tem sido utilizado com sucesso na cura de vários câncros de pele e outros. É vaso-dilatador, dilatando os capilares, e aumentando o fluxo sanguíneo. É útil no tratamento do reumatismo e artrite. Úlceras pépticas e estomacais, hipertensão, pé-de-atleta (antifungico), anemia e acne. É ainda utilizado para aliviar aftas e doenças das gengivas, verrugas e estrias.


A melhor forma de utilizar o Aloe vera é cortar uma folha na longitudinal, abrindo-a, e aplicar o gel transparente sobre a pele ou couro cabeludo, tendo o cuidado de não utilizar a parte amarela da base da folha que é muito amarga e pode causar irritação da pele em pessoas mais sensíveis. O resto da folha que não se utilize pode ser guardado no frigorífico ou congelador e utilizado como emplastres frescos. Conservam-se assim vários meses quando cortado na perpendicular à folha.
Para uso interno, é necessário ter muito cuidado e seguir aconselhamento médico, pois existem muitas adulterações no mercado. Estas adulterações existem sobretudo nos produtos utilizados nas extracção e estabilização do gel. Este gel amargo é um potente laxativo, causando contracções do cólon, e originando movimentos intestinais 8 a 12 horas após a sua ingestão. Em doses baixas estas propriedades amargas estimulam a digestão e em doses altas são purgantes.

Cosmética

O Aloe é muito utilizado em cremes de beleza e shampoos, mas aqui mais uma vez é necessário ter a atenção as marcas. O melhor mesmo é ter sempre à mão uma planta e utilizá-la fresca.

Contra indicações

O Aloe não deve ser consumido internamente durante a gravidez dadas as suas características purgativas. Também não deve ser utilizado em caso de hemorróidas ou doenças renais.

(Inf.Net)

domingo, 13 de fevereiro de 2011

HARMONIA DENTRO E FORA

O homem está vivendo como uma ilha, e daí vem toda a miséria. Através dos séculos o homem tem tentado viver independentemente da existência - isso não é possível, pela própria natureza das coisas. O homem não pode ser independente nem dependente. A existência é um estado de interdependência: tudo depende de tudo mais. Não há hierarquia, ninguém é inferior e ninguém é superior. Existência é uma comunhão, um eterno caso de amor.

Mas essa ideia de que o homem tem que ser superior, especial, mais elevado, cria confusão. O homem precisa não ser nada, precisa dissolver-se na totalidade das coisas. E quando deixamos cair todas as barreiras, comunhão acontece e essa comunhão é uma bênção. Ser um com o todo é tudo. Este é o núcleo da religiosidade.
Heraclito, o antigo pensador Grego, nos diz: se as coisas acontecessem ao homem exactamente como ele deseja isso de nada adiantaria. A menos que você espere o inesperado, jamais encontrará a verdade, pois isso é difícil de descobrir e árduo chegar até ela. A natureza adora esconder-se. O senhor cujo oráculo está em Delfos nem revela nem dissimula – mas nos envia sinais.
A existência não possui linguagem... e, se você depender da linguagem não conseguirá comunicar-se com a existência. Existência é um mistério, não é possível interpretá-la. Se você tentar, irá errar. Existência pode ser vivenciada, mas não pensada. Ela é mais como poesia, menos como filosofia. É um sinal, uma porta. Ela se mostra, mas nada diz.
Não é possível abordar a existência através da mente. Se você pensar a respeito dela, você pode continuar pensando, mais e mais, mas você nunca irá alcançá-la – pois a barreira está, justamente, nos pensamentos. Pensar é um mundo privado, pertence apenas a você – assim você fica encerrado, encapsulado, prisioneiro de si mesmo. Com o não-pensar, você deixa de ser; você não está mais encerrado. Você se abre, fica poroso, a existência flui através de você e você flui através da existência.
Aprenda a escutar – escutar significa que você está aberto, vulnerável, receptivo, mas não está pensando de jeito nenhum. Pensar é uma ação positiva. Escutar é passivo: você se torna como um vale e recebe; você se torna como um útero e você recebe. Se puder escutar, então a natureza fala – mas isso não será uma linguagem. A natureza não usa palavras. Então o que ela usa? Heraclito diz que são sinais. Você encontra uma flor: que sinal é esse? Ela nada está dizendo – mas você pode realmente afirmar que ela não está dizendo coisa alguma? Ela está dizendo muito, só não está utilizando palavras: é uma mensagem sem palavras.
Para ouvir o inexprimível você terá que abandonar as palavras, pois só o semelhante pode ouvir aquele que lhe é semelhante, apenas os semelhantes podem se relacionar.Diante de uma flor, não seja uma pessoa, seja uma flor. Ao lado de uma árvore, não seja uma pessoa, seja uma árvore. Tomando banho em um rio, não seja humano, seja um rio. E assim milhões de sinais lhe serão dados. E isso não é uma comunicação – é uma comunhão. Assim a natureza fala, fala em milhares de línguas, mas não numa linguagem.


OSHO

domingo, 6 de fevereiro de 2011

O rapaz do pijama às riscas


"Resumo da História A família do Bruno resume-se aos seus pais e à sua irmã Gretel, que o Bruno acha um “ Caso Perdido”. Ao regressar da escola, um dia, Bruno constata que as suas coisas estão a ser empacotadas. O seu pai, soldado alemão, tinha sido promovido no trabalho e toda a família tem de deixar a luxuosa casa onde vivia e mudar-se para outra cidade, onde Bruno não encontra ninguém com quem brincar nem nada para fazer. Pior do que isso, a nova casa é delimitada por uma vedação de arame que se estende a perder de vista e que o isola das pessoas que ele consegue ver, através da janela, do outro lado da vedação, as quais, curiosamente, usam todas um pijama às riscas.Como Bruno adora fazer explorações, certo dia, desobedecendo às ordens expressas do pai, resolve investigar até onde vai a vedação. É então que encontra um rapazinho mais ou menos da sua idade, e que se chama Shmuel,vestido com o pijama às riscas que ele já tinha observado de longe da sua casa, e que ao longo do tempo se torna o seu melhor amigo para toda a vida.Um dia, quando a mãe de Bruno se fartou de estar em Acho Vil, disse ao pai que ele ficava sozinho e que ia embora para Berlim com o Bruno e a Gretel. No último dia em Acho Vil, o Bruno, quando estava com o Shmuel, teve uma ideia: passar a vedação e explorar com Shmuel o campo à procura do seu pai desaparecido. O final é simplesmente chocante… o Bruno, vestido com um pijama às riscas, morre juntamente com Shmuel. Este livro narra uma história original que reflecte os horrores da 2ª.Guerra Mundial e do Holocausto. Mas é também uma obra que evidencia o valor da amizade."

Vi este filme há dias e emocionou-me bastante, principalmente a amizade entre as crianças.